domingo, 31 de maio de 2009

Dia Mundial da Criança

Como a maior parte das pessoas, adoro crianças, pelo que elas representa de alegria, inocência e esperança. São o eterno reinicio da esperança num mundo melhor, numa sociedade mais fraterna e solidária.

Ao longo da minha vida sempre estive próximo de crianças, primeiro com um irmão mais novo, depois pela profissão da minha mãe, hoje pelo meu filho e pela actividade voluntária que desenvolvo numa Instituição Particular de Solidariedade Social, cuja principal valência é um infantário, com cerca 180 crianças.

Na minha relação com estes seres sublimes a principal sensação que sempre me dominou é a sua imensa fragilidade, donde saio normalmente a perder na dualidade - necessária preparação para o mundo/ protecção do mundo, deixando-me manipular amiúde.

Mas estas são as crianças que conhecemos e amamos, o que implica necessariamente serem amadas, e hoje os meus pensamentos não vão para elas, pois esses vão todos os dias.














Hoje pretendo lembrar as crianças que não tem tempo para sê-lo, que não conhecem as nintendos, psp's, wii, as actividades extracurriculares, os passeios de bicicleta com os pais, os passeios ao jardim zoológico, as idas à praia, à Disneyworld, os ténis e a roupa de marca.
Falo de crianças-adultos, crianças-soldado, prostituição infantil, feitas no ódio e perversões dos adultos, usadas, violadas, maltratadas, torturadas, escravizadas e vendidas em mundos que o amor não tem vagar de viver.













Hoje lembro as crianças vitimas do mundo, que não tiveram tempo de perceber, indefesas, vulneráveis, alvos fáceis de ódios adultos.





Dirijo o meu pensamento para aquelas que sozinhas num mundo absurdo procuram o sustento que as manterá vivas, mais por instinto natural que por racionalização.



Recordo ainda aquelas crianças a quem o destino tudo deu, até a infelicidade de viverem num lar onde impera a bestialidade, mais ignóbil, porque perpetuada sobre quem não se pode defender.


video

ATLÂNTIDA e o REINO dos SINETES

Havia um País, nas profundezas marítimas,que se chamava Atlântida e era habitado por peixes,moluscos e cefalópedes.O seu chefe máximo era um POLVO enorme que tudo controlava á sua volta.Era gordo e anafado,não enjeitava as boas oportunidades para saciar a sua gula.

Mas, nesse País, havia pequenos reinos, grandes rochedos no meio de areais e entralhados que, embora subjugados ao Grande Polvo, tinham poderes próprios e independentes na maior parte das decisões.Eram as FEITORIAS com Governos e Assembleias eleitos pelas comunidades dos peixes, seus habitantes. Por norma, os Governos Locais tinham como Presidentes MEROS com o seu séquito de fanecas e pampos, que governavam toda espécie de peixes sendo os mais abundantes os pilins e as petingas.

Embora o Grande Polvo já controlasse grande parte destas Feitorias, havia uma chamada REINO DOS SINETES que lhe fugia, há séculos, ao controlo, no entanto já controlava estes mares através de rochedos que serviam de cais de desembarque de granulados para alimentar os cardumes quando se previam vendavais.

Esta FEITORIA tinha sido primeiro governada por um MERO de águas profundas que arranjou um séquito de seguidores, na sua maioria e orientados por famílias de fanecas e pampos, que eram sempre os mesmos, não havia mudanças. No entanto era um MERO local esperto,popular,sempre ao lado do cardume,mas que era avesso a modernices e assim não acompanhou as evoluções dos séculos,foi-se desgastando e passou o poder a outro MERO da família que sempre militou no seu seio, contudo manteve-se sempre vigilante controlando as Assembleias.

O outro MERO já batido, mais moderno, com ideias que por vezes eram desajustadas da realidade, lá foi governando o reino dos SINETES com êxito relativo.Para isso rodeou-se de um vasto séquito de fanecas, pampos,abróteas e carapaus de corrida que, para se manterem na graça do chefe, pensavam noite e dia como haviam de arregimentar mais cardumes de pilins e petingas. Assim, nasceram as viagens a bordo de autocarros (peixes espada) que levavam os cardumes a grandes passeios e a banquetearem-se de amêijoas e minhocas, para depois já com o repasto concluído aparecer o chefe MERO a cumprimentar com as suas barbatanas todo o cardume.Mas eis o inesperado, tanto gastou nos passeios que arruinou os cofres da FEITORIA, de tal maneira que o primeiro MERO deste reino e seu companheiro de lutas atento, pois dominava as Assembleias começaram à luta um com o outro para tomarem conta da FEITORIA e dividiram os cardumes. Esta luta foi de tal maneira que o POLVO chefe da ATLÂNTIDA viu, enfim que, depois de tantos séculos,aqui estava a real oportunidade de conquistar o REINO DOS SINETES,se já dominava este Reino através dos cais dos rochedos tinha de dominar o resto do território. Então, chamou a toda a pressa, os boys e as girls, fanecas, abróteas, pampos e carapaus e disse, a um MERO seu súbdito; É A TUA VEZ, agora ou nunca pois,se não ganhares vais para uma caldeirada.

No entanto, este MERO tinha dois defeitos, o primeiros, não saia da caverna e os cardumes não o viam em lado nenhum; o segundo defeito tinha como braço direito, um peixe balão sempre inchado ,chefe da distribuição de tarefas de alguns peixes debilitados,mas era um peixe balão vaidoso no seu cargo, gordurento, que nadava bamboleando-se á volta dos rochedos e areais olhando sempre para o lado para ver se era reconhecido,não caindo assim no goto dos pilins e das petingas.

Para o primeiro caso houve ordem do POLVO GIGANTE para os boys e as girls já existentes mandarem o MERO candidato ao otorrinoboga para para lhe serem coladas umas molas nas bochechas para ficar sempre a rir para todas as espécies, sem descriminarão; para o segundo problema houve ordem para o peixe balão ser mais comedido. Este MERO risonho à força dizia, a torto e a direito: Agora é que é, pois a outra família está toda dividida, andam às barbatanadas uns com os outros. O episódio só agora começou, mas há dias numa volta da maré apareceu a rondar as hostes,um robalo com lombo azulado e com algumas cicatrizes de lutas anteriores,conhecido pela sua combatividade e inteligência, lutador de mares tenebrosos jogado por vezes contra os rochedos,mas que tinha por lema, a perseverança e disse a um pequeno cardume que passava (já não há paciência para aturar isto) contem comigo que na próxima lua vou aparecer.

NA NOVA LUA LOGO VEREMOS.

Um sinete de águas profundas

Nota: Texto enviado por leitor devidamente identificado


peixeirada

a escolha de um peixe de espécie dúbia, como símbolo do movimento sim, não sendo seguramente uma sardinha ou carapau, também não vou pela taínha, nem chaputa, talvez sargo ou dourada, que esta gente é dada a coisas finas.

não sei se o peixe significará a peixeirada que se adivinha, se o reconhecimento destes animais pelos anos que engordaram nos esgotos municipais, se isto vai meter água ou trata-se de uma grande caldeirada.

no cristianismo o peixe é símbolo das águas da morte e da vida.
O peixe tornou-se o símbolo da água em que vive, assumindo para os povos antigos os valores positivos e negativos da mesma.
por um lado, ele era considerado símbolo das águas da morte, pois pode habitar as águas profundas e estas tinham essa simbologia.
deste modo, o peixe era um animal misterioso, pois conhecia as forças obscuras que se escondiam na profundeza das águas, sendo frequentemente associado à morte e a todos os perigos aquáticos que ameaçam o homem.


porém, o peixe também era considerado símbolo das águas da vida e da fecundidade. Grande ou pequeno, o peixe era visto como algo bom e positivo, talvez por penetrar os abismos, sendo-lhe atribuído um saber e conhecimento especiais.

símbolo das águas da morte? habita águas profundas? animal misterioso, que conhece as forças obscuras? penetrar nos abismos? atribuído um saber e conhecimento especiais?

afinal já percebi o que representa o peixe, depois do cherne, temos o sargo (ou dourada).

a(sim)nar

ontem estive na sede da candidatura do movimento sim, a acompanhar a minha mãe, "fiel votadora do sr. doutor" (sic), desde que este lhe tratou duma perna com zelo e dedicação e alguns euros.
hoje, de acordo com o meu pai, em falência estrogénica, qualquer médico lhe serve, desde que tenha um leque. Já o meu pai, mais dado a coisas do corpo que do espírito, diz que por ele os políticos podiam ir todos cagar, espero que não se esteja a referi lá a casa.

pelo que diz o site do Movimento sim o número de pessoas - 200 - ficou aquém dos milhões que o candidato gastou nestes 12 anos, mas estou para mim, que se somadas as idades de todos os presentes deveríamos andar num valor aproximado dos 200 milhões, tal juventude.

terá sido o mais perto que estive de uma seita, a admiração messiânica dos presentes, a epifania do devir propalado pelo candidato, só faltou mesmo gritos histéricos e desmaios oportunos para o candidato ressuscitar, mas creio que lá chegaremos. já ao peditório ou dizimo não chegaremos porque a ordem parece farta.

para aqueles que não puderam estar presentes na recolha de assinaturas de ontem, podem fazê-lo nos seguintes locais:

hoje dia 31.05, no almoço do dia do pescador, de preferência antes do repasto

dias 11, 14 e 21 no passeio a lisboa, preferencialmente antes de subir para o autocarro

mesmo assim se não conseguir fique tranquilo que terá muuuuuuuitas mais oportunidades.


nota: para grande abalo de minha mãe não assinei, porque não tinha o BI, nem, aliás vontade de fazê-lo, comigo movimentos só de ondas e ancas, lamento sr.dr.

sábado, 30 de maio de 2009

Pensamento de hoje (30.05.2009)

Não existe um só indivíduo em Portugal que não seja considerado um criminoso, se se permitisse fazer as mesmas coisas que o Estado se permite!

Sátira política

Ao Excelentíssimo Ministro da Agricultura

Exposição


Porque julgamos digna de registo
a nossa exposição, senhor Ministro,
erguemos até vós, humildemente,
uma toada uníssona e plangente
em que evitamos o menor deslize
e em que damos a razão da nossa crise.

Senhor! Em vão esta província inteira
desmoita, lavra, atalha a sementeira,
suando até à fralda da camisa.
Falta a matéria orgânica precisa
na terra, que é delgada e sempre fraca.
- A matéria em questão chama-se… Caca.

Precisamos de merda, senhor Soisa!
E nunca precisámos de outra coisa.

Se os membros desse ilustre Ministério
querem tomar o nosso caso a sério,
se é nobre o sentimento que os anima
mandem cagar-nos toda a gente em cima
dos maninhos torrões de cada herdade.
E mijem-nos também por Caridade!

O senhor Oliveira Salazar
quando tiver vontade de cagar
venha até nós!... Solícito, calado,
busque um terreno que estiver lavrado
e, como Presidente do Concelho,
queira espremer-se até ficar vermelho!

A Nação confiou-lhe os seus destinos?
Então comprima, aperte os intestinos.
Se lhe falhar um traque, não se importe,
quem sabe se cheirá-lo nos dá sorte?
Quantos porão as suas esperanças
num traque do Ministro das Finanças?
E quem viver aflito, sem recursos
já não distingue os traques…dos discursos.

Não precisa falar! Tenha a certeza
que a nossa maior fonte de riqueza,
desde as grandes herdades, às courelas
provém da merda que juntarmos nelas.

Precisamos de merda senhor Soisa!
E nunca precisámos de outra coisa.

Adubos de potassa?...Cal?...Azote?!?...
Tragam-nos merda pura do bispote!

E todos os penicos Portugueses
durante, pelo menos, uns seis meses.
Sobre o montado, sobre a terra campa,
continuamente nos despejem trampa.

Terras alentejanas, terras nuas,
desespero de arados e charruas,
quem as compre ou arrenda ou quem as herda
sente a paixão nostálgica da merda.

Precisamos de merda senhor Soisa!
E nunca precisámos de outra coisa.

Ah!... Merda grossa e fina! Merda boa
das inúteis retretes de Lisboa!...
Como é triste saber que todos vós
andais cagando sem pensar em nós!

Se querem fomentar a agricultura
mandem vir muita gente com soltura.
Nós daremos o trigo em larga escala,
pois até no faz de conta a merda rala.

Venham todas as merdas à vontade,
não faremos questão de qualidade.
Formas normais ou formas esquisitas!
E desde o cagalhão, às caganitas,
desde a pequena pôia, à grande bosta,
de tudo o que vier a gente gosta.

Precisamos de merda senhor Soisa!
E nunca precisámos de outra coisa.


Évora, 18 de Fevereiro de 1934

Pela Junta Cooperativa dos Sindicatos Reunidos
Do Norte, Centro e Sul do Alentejo

O Presidente,
Don Tancredo (o Lavrador).

Pila (retes)


tal como entre as coreias, está prestes a iniciar em sines uma guerra que ficará na história como a “guerra dos pilaretes

para os menos avisados ficam cinco dicas para compreenderem o que será esta batalha sem quartel

a) como noutras coisas da vida, não há dois pilaretes rigorosamente iguais, e cada um acha que o seu é melhor que o do vizinho, espreitando discretamente o do vizinho

b) quando maior os conhecimentos e o estatuto social, maior a possibilidade de colocar o seu pilarete

c) quanto maior o seu pilarete, mais fundo terá que enterrá-lo, e ao contrário do que dizem, o tamanho conta, pois quanto mais enterrado mais firme

d) nunca se encoste demasiado aos pilaretes alheios

e) observe e analise com periodicidade o estado de conservação do seu pilarete, pois uma forte pancada por danificá-lo e a usura do tempo, para além da estética, poderá pôr em causa a sua eficácia.


a foto acima mostra o tipo de pilarete que pensa deixaria muitos sinienses satisfeitos

Dar o peito às balas


Carlos Beato, eleito presidente da Câmara Municipal de Grândola, pelo PS com o estatuto de independente, não será um autarca modelo para alguns, mas é dono da coragem suficiente para colocar os interesses da população e do Cocelho que o elegeu acima dos interesses politico-partidário e pessoais.

Ontem, garantiu à comunicação social que caso se mantenha o traçado da linha ferroviária de mercadorias Sines-Espanha, que “retalha o concelho e aldeias” e “passa por cima de casas” que se demitirá de presidente da Câmara de Grândola e do Pólo Turístico do Litoral alentejano.

Carlos Beato demonstra a honestidade, transparência e verticalidade politica daqueles que não negoceiam nos bastidores acordos e favores em contrapartida de sacrificar o bem-estar das populações; daqueles que tem coragem para defender a sua terra, mesmo contra o partido pelo qual foram eleitos e os senhores das distritais e da capital; daqueles que não esperam ver o seu lugar ameaçado para virem denunciar o irremediavel que em nome do partido que lhes assegurou o poder permitiram.

É a diferença entre servir a população ou utilizar a população ao serviço do partido e da perpetuação no poder a qualquer preço.


foto obtida no site da C.M. Grândola

O monstro vai mostrando o rosto

Os despedimentos na Multiauto, que já estão a decorrer, e que abrangeram as filiais de Setúbal e de Sines, deverão continuar nos próximos dias. De acordo com os dados avançados por Eduardo Florindo, dirigente do sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Metalúrgicas e Metalomecânicas do Sul, a empresa, para fazer face ao facto de estar, “neste momento, sem viabilidade e em falência técnica”, pretende “despedir 41 trabalhadores, de modo a reduzir o seu quadro de pessoal para cerca de 115 trabalhadores”.

Confrontada com estas declarações, a administração da Multiauto não conseguiu prestar, em tempo útil, quaisquer declarações ao “Setúbal na Rede”. A empresa, que representa a Renault em Sines e Setúbal, também é a representante da Nissan nesta última.


Setúbal na Rede

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Devolvamos a pedra a quem a colocou






"O grupo La Seda lançou uma nova fábrica no complexo petroquímico, mas agora está em grandes dificuldades e os bancos, incluindo a Caixa Geral de Depósitos, estão a atrasar o financiamento.
A construção de uma grande fábrica de produtos derivados do petróleo para embalagem foi anunciada várias vezes. José Sócrates e Manuel de Pinho assinalaram a colocação da primeira pedra no local.
O Estado português entrava com 100 milhões de euros, entre apoios directos e benefícios fiscais. A própria Caixa Geral de Depósitos tem 7 por cento do consórcio português criado para este projecto e lidera o conjunto de bancos que vão emprestar a maior parte do dinheiro.
Mas entretanto, o grupo promotor, La Seda, está em grandes dificuldades por causa da crise. O grupo está a ser reestruturado em Espanha com a ajuda do Deutsche Bank e não terá o dinheiro necessário para investir em Portugal.
A SIC apurou que o ministro da Economia e o próprio Primeiro-Ministro estão a tentar encontrar uma solução que salve o projecto.
A própria CGD garante que o projecto tem viabilidade, mas para já, grande parte do financiamento em regime de “project finance”, está atrasado. As estruturas metálicas para a fábrica já foram importadas e estão no porto de Sines.
Centenas de trabalhadores aguardam que o problema seja desbloqueado para continuar a montagem da fábrica."

SIC Online, 27.05.2009


"Os investimentos estrangeiros contratualizados em Portugal entre Janeiro e Abril deste ano somam já 500 milhões de euros, adiantou o presidente do AICEP, Basílio Horta.
De acordo com este responsável, a maioria destes investimentos já vêem de 2008, ano em que os investimentos estrangeiros contratualizados atingiram os 1,8 mil milhões de euros.
São exemplo disso, o projecto da refinaria da Repsol para Sines; a fábrica da La Seda, também em Sines."

Económico, 28.05.2009



Manuel Pinho e Basílio Horta fazem parte de um escola que confunde gestão das expectativas com o ridículo da mentira evidente, agravado por delírios e perda de contacto com a realidade, que clinicamente se diagnostica por esquizofrenia. Esta escola conheceu o seu expoente máximo no decurso da 2ª guerra do Golfo, na figura do ministro Iraquiano da Defesa.
Uma gestão das expectativas que os interessados, descredibiliza o emissor e põe em causa todo o processo, ao contrário das decisões, é preferível não existir gestão das expectativas do que uma má gestão das expectativas.

À medida que a crise avança, corroendo a base da pirâmide sócio-económica e ameaçando o seu topo, recordo um dirigente politico espanhol, que pela ocasião do anúncio da fábrica da La Seda segredou que se os Governos contassem o que se estimam que seja a crise, os países entrariam em ruptura. E como ele sabia do que falava, longe vinha a crise da Repsol (que está a encerrar unidades industriais em Espanha) e a evidência da situação financeira da La Seda.

Sines Surf Clube



Este fim-de-semana decorre em Sines, mais concretamente em São Torpes, caso as ondas o permitam, a 1ª etapa do Campeonato Intersócios de Bodyboard, organizado pelo Sines Surf Clube.
Eu, que tanto me queixo do facto da população da nossa terra, não aderir aos eventos realizados pelos seus conterrâneos, não podia deixar passar em branco esta iniciativa levada a cabo por pessoas assim, jovens, activas e empreendedoras, qualidades que as tornam únicas tendo em conta a realidade Sineense. Muitos deles conheço-os desde muito novo, porque também eu pratiquei bodyboard desde os 11 anos e, apesar de hoje já estar retirado, porém sempre com pretensões de regressar, sinto-me também parte desse grupo.
Lembro-me de quase todos eles, desde criança, quando o Surf e o Bodyboard eram desportos menos bem vistos, lembro-me da cabana na Pedra do Homem, lembro-me de ir de bicicleta com a prancha ao ombro para a praia e de me vestir já de noite à chuva onde hoje é o Trinca Espinhas depois de um dia clássico, sendo que para mim sempre foi um desporto puro praticado por rebeldes inveterados, hoje em dia felizmente ou infelizmente massificado, de uma forma que pessoalmente me desagrada, mas que pelo prazer que proporciona, inevitável.
Na evidência da falta de condições para a prática de outros desportos, a opção do Surf e de qualquer outro desporto ligado ao Mar, é a melhor opção, sendo que para mim seria independentemente de tudo a melhor escolha. O Mar lava a alma, elimina o stress, consciencializa-nos para as preocupações que devemos ter em relação ao meio ambiente e ajuda-nos a decidir sobre pressão, aliando a tudo isto o desenvolvimento de uma condição fisica que não fica atrás de qualquer desporto Olímpico.
Espero que repitam a mais que elogiada boa organização dos últimos eventos e porque é sempre precisa,
Boa sorte amigos!

Correio dos Leitores: Brigada do Mar

Caros Colegas e Amigos,

Venho por este meio divulgar um projecto que tem, como nome “BRIGADA DO MAR” (http://brigadadomar.blogspot.com).

O objectivo é simples… limpar 45 km de praia deste Tróia até à Praia Costa do Norte. O projecto arrancou dia 23 de Maio 2009 em Grândola e vai ter lugar em Sines na Praia da Costa do Norte já hoje e também durante o Fim de Semana.

PARTICIPEM E PASSEM A PALAVRA

Contacto da pessoa responsável: Simão 934139709

Pensamento do dia

Grande parte das dificuldades que o Município de Sines atravessa deve-se a um conjunto de ignorantes que estão totalmente seguros de si, e a um grupo de inteligentes carregados de dúvidas!

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Quando acaba o dominio público

Na confluência da Rua Vasco da Gama com a Avenida General Humberto Delgado, foi recentemente recuperada a casa ilustrada na figura.

Entretanto foram colocadas umas protecções em domínio público, para (presumo) evitar o estacionamento junto da casa, naturalmente que tal procedimento careceu de autorização prévia da autarquia.

Estamos claramente perante um tratamento preferencial relativamente ao restantes munícipes. Quantos mais não desejavam ter a sua casa protegidas de viaturas que tantas vezes tapam as portas e janelas das casas. Na Rua Luís de Camões, imagine-se toda a rua com protecções idênticas.



Manobras Eleitorais

À semelhança de anos anteriores a CMS organiza, no próximo dia 31, as comemorações do Dia do Pescador, tal como em edições anteriores, a festa consta em almoço e espectáculo musical. Depois temos o passeio Sénior, este ano à descoberta de Lisboa e a inauguração do espaço Sénior, e mais, mais, muito mais.

O que difere de comemorações de anos anteriores é o ano eleitoral que vivemos, em que o anfitrião não é apenas Presidente da autarquia, é também candidato.

Para qualquer candidato a exercer a função de presidente, separar os papéis de presidente e candidato é tarefa difícil, para Manuel Coelho impossível.

Dentro do mesmo espírito, assistiremos ao tradicional despesismo de anos eleitorais, aumento do quadro de pessoal e muito brevemente mudanças internas. Um desafio interessante é comparar as admissões com os elementos das listas.

A ética politica, está de um modo geral, arredada da actividade politica, onde prevalece a lógica do poder pelo poder, enquanto nós cidadãos vamos pagando.

Confissões de um Banqueiro

video

Investimento em Sines anunciado pelo Governo está em risco

Está em risco um dos grandes investimentos anunciados pelo Governo para Sines, no valor de 400 milhões de euros.

O grupo La Seda lançou uma nova fábrica no complexo petroquímico, mas agora está em grandes dificuldades e os bancos, incluindo a Caixa Geral de Depósitos, estão a atrasar o financiamento.

A construção de uma grande fábrica de produtos derivados do petróleo para embalagem foi anunciada várias vezes. José Sócrates e Manuel de Pinho assinalaram a colocação da primeira pedra no local.

O Estado português entrava com 100 milhões de euros, entre apoios directos e benefícios fiscais. A própria Caixa Geral de Depósitos tem 7 por cento do consórcio português criado para este projecto
e lidera o conjunto de bancos que vão emprestar a maior parte do dinheiro.

Mas entretanto, o grupo promotor, La Seda, está em grandes dificuldades por causa da crise. O grupo está a ser reestruturado em Espanha com a ajuda do Deutsche Bank e não terá o dinheiro necessário para investir em Portugal.

A SIC apurou que o ministro da Economia e o próprio Primeiro-Ministro estão a tentar encontrar uma solução que salve o projecto. A própria CGD garante que o projecto tem viabilidade, mas para já, grande parte do financiamento em regime de “project finance”, está atrasado.

As estruturas metálicas para a fábrica já foram importadas e estão no porto de Sines. Centenas de trabalhadores aguardam que o problema seja desbloqueado para continuar a montagem da fábrica.


SIC Online, 27.05.2009

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Coisas do passado...a que só acrescento uma linha: As moscas são as mesmas o "lugar" é que mudou de sítio.

CARTA ABERTA
AO EXMO.SRºPRESIDENTE
DA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES

Como Sineense, não natural, mas radicado desde 1978 e empresário do ramo da restauração, desde 1991, de momento com estabelecimento aberto na rua pedonal (a única) da Zona Histórica de Sines, venho por este meio mostrar o meu maior desacordo em relação aos moldes e local, como mais uma vez se irá realizar, a MOSTRA GASTRONÓMICA “SINES,ALENTEJO À MESA”-X EDIÇÃO e apresentar uma alternativa.

A realidade da situação do comércio em Sines no geral, ronda as “ruas da amargura”, talvez com maior incidência no comércio localizado na Zona Histórica de Sines. Os diversos factores que conduziram a esta situação são certamente do seu conhecimento, não valendo a pena enumerá-los agora.

As anteriores Mostras Gastronómicas foram sempre consideradas um “enorme sucesso” o que não questiono mas pergunto:

-Independentemente do seu número, qual a origem das pessoas que afluem às “Mostras”?
Donde vêm? …Dos Concelhos vizinhos?…De todo o País?... Ou a grande maioria é de Sines?...
-Porquê insistir no mesmo local para a realização do evento? As condições de trabalho não são as ideais e, conforme o próprio regulamento assume, o acesso para o transporte de material é difícil,

A alternativa que proponho passa pela realização do evento na Zona Histórica de Sines com o mesmo espírito e regras do Regulamento da Mostra Gastronómica, sendo que:

-Os estabelecimentos da Zona trabalhariam nos seus próprios locais, seriam devidamente sinalizados e publicitados e obrigavam-se a cumprir o Regulamento.

-Os estabelecimentos fora da Zona Histórica utilizariam o espaço do Castelo de Sines após serem criadas as infra-estruturas necessárias e exigidas por lei, para a montagem dos stands que agora são utilizados. Estas infra-estruturas poderiam ser definitivas e serviriam para outros eventos que se realizam no mesmo local.

Penso que seria um passo importantíssimo para a tão falada Revitalização da Zona Histórica de Sines que tarda a chegar e que, para alguns, infelizmente, já não chegará a tempo.
Sempre ao seu dispor e pelo melhor para Sines.

Sines,23 de Maio,2005

Sou,
José Pedro de Faria Quintela Lucas
B.I-nº 2353954 – Eleitor nº 10339

5 meses depois, a resposta da CMS

Exmo. Sr.
A Câmara Municipal de Sines vem pelo presente agradecer as sugestões apresentadas por V. Exa., em Maio deste ano, quando foi divulgado pelos restaurantes o regulamento da X Mostra Gastronómica, relativamente às quais se fará uma reflexão atenta, considerando os Planos de Actividades para ospróximos anos.

Com os melhores cumprimentos.

Carmem Francisco
Adjunta do Presidente da Câmara Municipal de Sines
13/10/2005


nota: a chamada de atenção para o espaço de tempo entre a carta aberta e resposta da autarquia, são da autoria do administrador do blogue.

Retoma da exploração das captações de água

A delegada de saúde de Sines, Fernanda Santos, determinou, no dia 23 de Maio, através de comunicação à Câmara Municipal de Sines, a retoma da exploração das captações de água EGC1, EGC2, EGC3 e JKC1, mantendo-se a sua monitorização quinzenal.

Rádio Sines, 25.05.2009


Concordo que retomem o EGC1, mas o EGC2, hum tenho dúvidas. Em relação ao JKC1, esse sim, é o meu preferido.

terça-feira, 26 de maio de 2009

Tasquinhas no Pontal


Defender as Tasquinhas noutra localização, não é o mesmo que desejar que estas não se realizem, nem envolve necessariamente a questão do encerramento definitivo da Avenida e da falésia.

Trazer à discussão o modelo de integração da avenida Vasco da Gama e da Falésia no ordenamento futuro da cidade é pretender não discutir o que está, para já em causa: a localização do evento Tasquinhas

Defendo hoje como defendi no passado que as Tasquinhas deveriam ficar localizadas no espaço junto ao Pontal, envolvendo o estacionamento até à Rotunda e o estacionamento da Marina. Esta solução permitia a circulação automóvel normal na Avenida Vasco da Gama, zona de estacionamento até ao Clube Náutico, minimização do ruído na cidade e espaço acolhedor e com pouco vento, protegido pelo Pontal e estacionamento da Marina.


No ano passado, o Presidente da autarquia escreveu para este blogue a propósito da contestação à localização na Avenida Vasco da Gama e da localização sugerida:

"No arco da Avenida há outros locais / soluções melhores? Não. Porquê? Porque este é o espaço mais abrigado dos ventos, que são um elemento desagradável e incómodo. Porque este troço da Avenida é bem servido de acessibilidades, em ambos os topos, e o que tem melhores condições de estacionamento automóvel nos dois extremos.

A opção do Pontal não é boa: é demasiado exposta aos ventos, não tem espaços suficientes para se construir um bom cenário de gastronomia, é descentralizado, tem problemas de estacionamento e a sua realização em concomitância com a circulação automóvel tornava-o num espaço perturbado e incómodo.

As pessoas da cidade de Sines têm boas opções para sair da cidade para sul: os habitantes das zonas norte podem circular pela rua Vasco da Gama; rua Teófilo Braga, descida pelo castelo, sem transtornos ou problemas de maior. E o mesmo para entrar na cidade vindas do Sul.

Os visitantes! Como sabem, mais de 95% dos visitantes entram na cidade pela rotunda a norte de Sines. Os que utilizam a actual via rápida – que entram na Avª Vasco da Gama e seguem pela mesma para sul, não param em Sines – estão de viagem. Mas para estes (agora e no futuro) será bom para a cidade que parem na Avenida, visitem as tasquinhas e fiquem a ser futuros clientes.

No caso de seguirem viagem, sobem a estrada da Ribeira, seguem pela Rua Vasco da Gama e podem parar junto ao Castelo, tomar uma bebida, visitar o futuro Museu e Casa Vasco da Gama (é um excelente motivo de paragem) e seguir para sul com boas razões para voltar à cidade de Sines. Os viajantes que vêm do sul não entram na Cidade – seguem pela via rápida para Norte. Mas para estes, nos próximos anos, haverá painéis a convidá-los para visitar as Tasquinhas e será mais um motivo para se desviarem da rota habitual, entrar, visitar, consumir e voltar com outros amigos. Uma questão pertinente, relacionada com estes cenários, é tratar de uma boa sinalização, o que não tem sido feito e é fácil (e importante) fazer.
Em conclusão:Aqueles que acham a realização interessante (na Avenida), mas que criticam o encerramento temporário do trânsito automóvel naquele espaço, têm uma visão curiosa, do tipo a defender uma coisa e o seu contrário.

Isto é, não são capazes (ou não querem) entender que não se pode fazer as duas coisas naquele cenário – porque a passagem de automóveis inviabilizava esta realização (não há espaço para as duas coisas) e causava ruído, poeiras e punham em risco a tranquilidade das pessoas e segurança para as crianças que vão com os pais e brincam à vontade."

Sou apologista do encerramento definitivo ao trânsito na Avenida Vasco da Gama, - desde que assegurada uma boa alternativa de circulação automóvel que hoje não existe, - entre a Docapesca e o Pontal, devolvendo aos Sineenses a sua aproximação ao Mar, berço da sua criação.
Mas defendo igualmente que enquanto não estiverem reunidas as condições para encerrar a Avenida, existem alternativas às Tasquinhas, conforme indico no inicio do texto.

Mas parece haver um obstáculo intransponível, a vontade do Sr. presidente da Autarquia, que decide com largas semanas de antecedência fechar a Avenida, do mesmo modo que decidiu encerrar para as comemorações do 25 de Abril, onde o vento já não representou uma preocupação, e o Castelo de Sines oferecia todas as condições que apontam como boas para a realização das Tasquinhas: recinto acolhedor, segurança, não existe circulação automóvel, estacionamentos, protegido do vento, localização Central e um bom cenário para a efeméride...mas o Sr Presidente da Autarquia achou por bem que o 25 Abril fosse festejado na Avenida Vasco da Gama, por uma espanhola a cantar. Em memória do papel que milhares de espanhóis tiveram na libertação de Portugal do fascismo.

CAMPEÕES ganham na despedida dos jogos em Sines

em cima: José Palmela, Carlos Pereira, Joel, Guedes, Fio, Ismael, Tiago, Simões, Mano, Henrique, Pedro Jacinto, João Nunes, Edson, Filipe Pires, Anibal Machado e Gonçalo;

em baixo: Jovany, Roberto, João Direito, Nuno Diogo, Miguel, Daniel Sobral, Gerson, Idi, Daniel Direito, Filipe Mariano e Lee.

No jogo da nossa consagração como campeões distritais da 2ª Divisão de Setúbal, recebemos o Beira-Mar de Almada e vencemos por 1-0, nesta que foi a penúltima jornada do campeonato. Foi um jogo que nada tinha para decidir, frente-a-frente o VGAC campeões e o Beira-Mar com a subida de divisão garantida, mas haviam três pontos em disputa e nós queríamos acabar este campeonato invictos em Sines ganhando para coroar em grande a festa.

Ganhámos por 1-0 com um grande golo de Ismael que acabou por ser o melhor momento de uma partida com poucos momentos de interesse, dadas as razões acima mencionadas. Fomos justos vencedores, controlamos sempre o jogo e não permitimos ao Lee qualquer hipótese de fazer uma defesa que fosse, provamos que em Sines fomos sempre muito fortes, contando 13 vitórias e apenas 1 empate.

Foi um grande dia para toda a família vascaína, desde as 14h até ao nosso jogo (17h) os mais diversos escalões de escolinhas do Vasco da Gama realizaram partidas frente a clubes da região, foi mais uma prova da importância de ter formação no clube permitindo a dezenas de crianças praticarem desde cedo desporto e começarem desde logo a viver com a competição, com as emoções de um jogo de futebol.

Acabamos a época no próximo fim de semana em Cabanas frente ao Botafogo na última jornada do campeonato.

Fizemos uma grande época nos jogos em Sines, com grande qualidade futebolística e grande fair play perante adversários, árbitros e público. Público que nem sempre aderiu em número no apoio a esta equipa onde 90% dos jovens são sinienses e formados no clube. Esperamos para o ano nos jogos em Sines mais público a apoiar o Vasquinho.
Aqueles que acompanharam a nossa equipa, quer em Sines,como nas deslocações, o nosso muito obrigado!!


Há uns anos atrás éramos nós, equipa sénior, no lugar destes miúdos e hoje somos campeões. Fazemos todos votos que a formação do Vasco da Gama continue a formar jovens jogadores e quando chegarem a seniores tenham a mesma oportunidade que este ano foi dada aos jogadores formados no clube e de Sines.

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Sines a duas velocidades

Já visitei alguns países de terceiro mundo, com as suas características assimetrias sociais, que permitem boas fotos aos turistas, a megalomania paredes-meias com a tentativa de se perpetuarem leva a que os dirigentes erijam obras de fazer inveja a qualquer pais desenvolvido, sugando os recursos necessário a um nível de vida digno ao resto da população, colocando aquilo que é de todos ao dispor de uma elite.

Lembrei-me de tudo isto hoje quando entrei em Sines pela Avenida Vasco da Gama, fechada ao trânsito, com uns gradeados e umas faixas mal amanhadas, faço a subida, do lado direito uns taipais, que ameaçam desmontarem-se a todo o momento e que sustem parte da falésia, entro no Largo João de Deus de calçada e terra batida, o edifício da CMS por pintar, depois Largo do IOS com um estacionamento (?) delimitado por uns blocos de cimento desalinhados, viro à esquerda, Rua Luís de Camões, entro na zona histórica, com uma calçada verdadeiramente única, suja, abandonada e maltratada, cruzo a Rua Cândido dos Reis, Largo da Atalaia, seguem os Penedos da Índia esburacados, entulho nas ruelas, calçada levantada, saio em direcção ao Mercado Municipal degradado, Avenida General Humberto Delgado, com faixas separada por uns pilaretes horríveis, sem sinalização horizontal, eis que um cartaz a anunciar uma programação luxuosa e cara - demasiado cara - no CAS, frequentada por uma ou duas centenas de sinienses, talvez menos.

O FMM, o CAS e a sua programação, a Escola de Artes, o Museu-Casa de Vasco da Gama, independentemente do seu valor, tem um denominador comum: o gosto pessoal do Sr. Manuel Coelho, pseudo-intelectual, elitista, burguês, e pretenso Educador do Povo.

Será isto que Sines deseja e pretende, é isto prioritário? Pouco importa que os Sinienses gostem ou aprendam (???) a gostar do mesmo do Sr. Manuel Coelho, pela lógica democrática de alguns, votaram é porque querem, sem contestação.

a ver os outros: Sines...terra de marinheiros e de Vasco da Gama


Sines, Domingo, dia 24 de Maio de 2009, 15.03 min.

Temperatura 24 º, vento 12 nós, mar calmo.

Não se vê uma unica embarcação.

A remos, a motor, à vela!

Sines, terra de marinheiros.

Berço de Vasco da Gama.

Porto de intrépidos pescadores.

Não nos parece e é uma imagem triste de um mar vazio!

Blogue Alentejo Litoral

A violência andou à solta

A violência da noite siniense é sobejamente conhecida e nos últimos anos fez mais pela decadência da vida nocturna de Sines que todos os outros factores juntos.
É uma violência que nem sempre se concretiza, mas está latente, na tensão, na provocação, especialmente com os que são de fora.

A violência voltou a andar à solta na última sexta-feira, sem policia, apenas bombeiros. Os primeiros não interessam a quem tem sempre saldo negativo com as autoridade, os segundos são
o ultimo recursos, em ajuste que se querem resolvidos entre os contentores, mas cujo ferimentos obrigam a desvendar o véu da violência.

O álcool e a droga, alimentam discussões, engrandecem ciumes, despertam ódios.
Mais que a violência choca, que esta se torne um espectáculo para os restante noctívagos, que assiste até esta se extinguir, pelo sangue, cansaço ou humilhação de uma das partes.

Falamos de gente empregada, integrada, com ambições e frustrações como todos nós, em que o discurso fácil da exclusão social não é argumento, em que está enraizada a violência como forma de afirmação e resolução de divergências.

No chão fica o sangue e nos corpos as cicatrizes, da certeza que a noite siniense carece de policiamento.

Depois dos decisores políticos, terem tido falta de visão, resta a autoridade, que terá que ser implacável, quando a violência apenas se resolve com violência.

domingo, 24 de maio de 2009

isenção é no sineense


quero demarcar-me das posições recentes deste blogue relativamente ao dr. manuel coelho primeiro concordo que não estão reunidas as condições para este blogue assegurar a isenção e independência, relativamente à várias candidaturas e o dr. manuel coelho sabe isto melhor que ninguém, ou não seja ele o responsável pelo jornal municipal "o siniense",
exemplo acabado de isenção

abre com um editorial do dr. manuel coelho a falar da obra do dr. manuel coelho,
depois as folhas seguintes continuam a cantar loas ao iluminado director do jornal,
dos seus feitos.
não existe contraditório, no jornal do sr. manuel coelho, pago por todos nós, palermas.
eu sei, eu sei, não é um jornal, mas um livro das fantasias.

segundo, este blogue é pródigo em mentira
o dr. manuel coelho, não é, nem podia ser o sr. 200 milhões, é mentira!

então o real madrid daria, no limite, 100 milhões pelo cristiano ronaldo,
e agora o manuel coelho, 200 milhões, o dobro do cristiano,
até pode ter mais jogo de cintura,
maior capacidade de marcação,
jogar melhor na falta, (especialmente de dinheiro)
mas o dobro do cristiano, não! é mentira!

Inquérito aos candidatos

No âmbito das iniciativas que a Estação de Sines levará a cabo relativamente às eleições autárquicas, as seguintes questões serão enviadas aos candidatos que aceitaram participar. As respectivas respostas deverão ser enviadas até às 17 horas, de 31.05.2009.

1. Supondo que será eleito, no seu último dia como presidente, que retrospectiva espera fazer do seu mandato?

2. Em Sines nos últimos 12 anos, existiu estabilidade politica e dinheiro (cerca de 250 milhões de euros), para se afirmar como uma cidade modelo, afinal o que falhou?

3. Como dizia um famoso slogan “Sines é para amar”, tem-no sido pelo poder central e local?

4. Supondo que esta era a derradeira oportunidade para elucidar um eleitor decisivo para a sua eleição, que lhe diria?

5. Qual a sua previsão dos resultados das autárquicas em Sines? E a pergunta inevitável, com quem não fará coligação pós-eleitoral, em circunstância alguma?


Nota: O candidato do Movimento SiM, Manuel Coelho, não aceitou participar nestas iniciativas por considerar "não estarem reunidas as condições para que o Blogue Estação de Sines se comprometa a garantir a igualdade de tratamento e oportunidade na utilização do espaço".

à atenção da ASAE

nestes tempos de crise
nada como fazer da actividade profissional
uma experiência única e emocionante


a ver os outros "Os Bons e os Maus"

Já há mais jornalistas a contas com a justiça por causa do Freeport do que houve acusados por causa da queda da ponte de Entre-os-Rios. Isto diz muito sobre a escala de valores de quem nos governa.

Chegar aos 35 anos do 25 de Abril com nove jornalistas processados por notícias ou comentários com que o Chefe do Governo não concorda é um péssimo sinal.

O Primeiro-ministro chegou ao absurdo de tentar processar um operador de câmara mostrando que, mais do que tudo, o objectivo deste frenesim litigante é intimidar todos os que trabalham na comunicação social independentemente das suas funções, para que não toquem na matéria proibida. Mas pode haver indícios ainda piores.

Se os processos contra jornalistas avançarem mais depressa do que as investigações do Freeport, a mensagem será muito clara. O Estado dá o sinal de que a suspeita de haver membros de um governo passíveis de serem corrompidos tem menos importância do que questões de forma referentes a notícias sobre graves indícios de corrupção.

Se isso acontecer é a prova de que o Estado, através do governo, foi capturado por uma filosofia ditatorial com métodos de condicionamento da opinião pública mais eficazes do que a censura no Estado Novo porque actua sob um disfarce de respeito pelas liberdades essenciais.

Não havendo legislação censória, está a tentar estabelecer-se uma clara distinção entre "bons" e "maus" órgãos de informação com advertências de que os "maus" serão punidos com inclemência.

O Primeiro-ministro, nas declarações que transmitiu na TV do Estado, fez isso clara e repetidamente. Pródigo em elogios ad hominem a quem não o critica, crucifica quem transmite notícias que lhe são adversas.

Estabeleceu, por exemplo, a diferença entre "bons jornalistas", os que ignoram o Freeport, e os "maus jornalistas" ou mesmo apenas só "os maus", os que o têm noticiado. Porque esses "maus" não são sequer jornalistas disse, quando num exercício de absurdo negou ter processado jornalistas e estar a litigar apenas contra os obreiros dos produtos informativos "travestidos" que o estavam a difamar. E foi num crescendo ameaçador que, na TV do Estado, o Chefe do Governo admoestou urbi et orbi que, por mais gritantes que sejam as dúvidas que persistem, colocar-lhe questões sobre o Freeport é "insultuoso", rematando com um ameaçador "Não é assim que me vencem".

Portanto, não estamos face a um processo de apuramento de verdade. Estamos face a um combate entre noticiadores e noticiado, com o noticiado arvorando as armas e o poder que julga ter, a vaticinar uma derrota humilhante e sofrida aos noticiadores.

Há um elemento que equivale a uma admissão de culpa do Primeiro-Ministro nas tentativas manipulatórias e de condicionamento brutal da opinião pública: a saída extemporânea de Fernanda Câncio de um painel fixo de debate na TVI sobre a actualidade nacional onde o Freeport tem sido discutido com saudável desassombro, apregoa a intolerância ao contraditório.

Assim, com uma intensa e pouco frequente combinação de arrogância, inabilidade e impreparação, com uma chuva de processos, o Primeiro Ministro do décimo sétimo governo constitucional fica indelevelmente colado à imagem da censura em Portugal, 35 anos depois de ela ter sido abolida no 25 de Abril.


Mário Crespo

sábado, 23 de maio de 2009

Blogue do PS Sines

Hoje ao tentar aceder ao Blogue do PS Sines, o ecrã devolveu-me a seguinte mensagem:

"Este blogue está aberto apenas a leitores convidados.

Parece que não foi convidado para ler este blogue. Se pensa tratar-se de um erro, deverá contactar o autor do blogue e solicitar um convite.

Iniciou sessão como antonio.luis.braz@hotmail.com - Inicie sessão com uma conta diferente"


Não fui de facto convidado a ler o blogue, nem se trata de um erro, como verifiquei por outros frustrados visitantes, nem solicitarei um convite, pois como diz o povo: "a casamento e a baptizado, não vás sem ser convidado".

Numa eleição que se adivinha renhida, onde cada voto contará, em que o Movimento SIM elevou a fasquia na utilização das novas tecnologias e meios de comunicar com os eleitores, o PS não se pode dar ao luxo de criar bloqueio no acesso à informação, que pretende que chegue ao maior número de sinienses. A rever.


O que dizem os outros...

Como já afirmei num post anterior, sou amigo do Idalino, candidato PS, Chico Pacheco candidato CDU e Manuel Coelho candidato SIM, o João Custódio candidato PSD não privei mas conheço e respeito.

Amigos amigos politica à parte a verdade é que quando chegar à altura de votar não vou esquecer seguramente a célebre barragem Guinote feita numa vala a céu aberto encomendada pelo Chico então Presidente da Câmara e que abasteceu Porto Covo de agua em alguns Verões sem tratamento, também não esquecerei que enquanto Presidente da AM defendeu em reunião da CDU, não fazer qualquer obra em Porto Covo enquanto a População votasse no PS.

Do Manuel Coelho vou lembrar sobretudo a promessa sempre adiada de construir o Centro Cívico de Porto Covo, os documentos que assinou comigo de obras nunca realizadas, a forma como lidou com o Clube Desportivo de Porto Covo que mandou desocupar as instalações sem alternativa e quando mandou destruir a esplanada de grande qualidade autorizada pela Junta de Freguesia na praça Marquês de Pombal e posteriormente foi construir outra de pior qualidade na zona histórica do Castelo de Sines.

Do João Custódio eu vou lembrar que é um jovem empreendedor com muito tempo á sua frente para aprender e um dia prestará seguramente bons serviços a Sines como politico.
Do Idalino vou lembrar as diversas intervenções enquanto Vereador da CMS e também como Deputado da AM a defender a minha terra Porto Covo, com grande empenho sendo por vezes enxovalhado por isso.

Blogue Baía de Porto Covo

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Repsol, paragem da produção

Depois da confirmação da paragem da fábrica de etileno a partir de dia 1 de Junho, consta que a paragem da fábrica da Repsol será total, a partir de meados de Junho, durante 3 meses.

o silêncio dos nossos governantes e a indiferença dos políticos locais como se nada disto afectasse a nossa vida, é um sinal deveras preocupante.

Água

Para esclarecimento dos boatos que correm pela cidade, apurei que no furo de captação de água, sito na Cerca Velha, foram detectados bromatos (???).
De acordo com a mesma fonte, esta água não foi, durante esse período, nem está a ser utilizada para consumo humano e a situação estará entretanto regularizada.

Correio dos Leitores - ACADEMIA DE GINÁSTICA DE SINES

Academia de Ginástica de Sines, clube mais representativo na Ginástica do Distrito de Setúbal

A.G.Sines, deslocou-se no dia 16 de Maio ao Pavilhão Desportivo do Alto do Moinho, com 23 Ginastas a fim de participar na Prova Distrital de Infantis na especialidade de Trampolim Individual e Sincronizado.

Infantis Femininos e Masculinos

A formação da A.G.Sines apresentou-se com 27 Ginastas no encontro amigável organizado pela Associação de Ginástica do Distrito de Setúbal, para o escalão de formação “Os Golfinhos”.

Grupo da ginástica formativa e recreativa.

Quanto ao Campeonato Distrital de Infantis, temos a realçar a alegria e o prazer pela prática desportiva de todos os ginastas.

Destacamos em especial os resultados da Alexandra Pina em 2.º Lugar, Cátia Cova em 3.º Lugar, e das novatas Iara Santos, Beatriz Malafaia e Éria Carril, 7.º, 8.º e 10.º Lugar respectivamente, vincando um futuro promissor.

A equipa A, constituída por Márcia Tavares, Mariana Plácido, Cátia Cova e Alexandra Pina sagra-se Vice Campeã Distrital. A Academia de Ginástica de Sines apresentou 5 equipas em competição no sector feminino e 1 equipa masculina, que também consegue um brilhante 2.º Lugar, equipa constituída por Martim Simões, Rodrigo Martins, Tiago Azevedo e Ruben Tavares.

Os ginastas masculinos apresentaram-se muito nervosos, com isto, não conseguiram apresentar o nível técnico pretendido. Ruben Tavares é 3.º a nível individual logo seguido do seu colega Tiago Azevedo em 5.º Lugar. Para um grupo de ginastas de tenra idade temos a realçar o excelente comportamento desportivo.

PARABÉNS A TODOS OS GINASTAS.
Academia de Ginástica de Sines

Investimento Repsol adiado

Investimento de mil milhões do grupo espanhol é para se manter congelado.

Nem uma palavra, apesar da promessa da Repsol de clarificar, até ao final do primeiro trimestre, o destino do projecto de ampliação do complexo petroquímico de Sines. A petrolífera espanhola não se compromete com quaisquer datas para o arranque das novas fábricas, avaliadas em mil milhões de euros e que já deveriam estar em fase de construção.

O cronograma do grupo apontava para a sua entrada em operação no segundo trimestre de 2011 mas, até ao momento, continua a não haver instruções para avançar. As terraplanagens, os únicos trabalhos visíveis no terreno, têm já largos meses.

Diversas fontes do sector, contactadas pelo Diário Económico, falam de um atraso de um ano e no adiamento, sem data definida, dos quatro novos projectos. Cenário em que a fábrica de polietileno, um dos projectos, é apontada como a mais penalizada, mas que a Repsol Portugal se recusou a comentar.

Diário Económico


quinta-feira, 21 de maio de 2009

Confirmação de más notícias

A partir do próximo dia 1 de Junho, a fábrica de Etileno da Repsol parará a produção, resta como consolação o facto de estar prevista a sua reactivação dentro de 3 meses.

Resposta ao Movimento SIM

Ao convite dirigido ao candidato do Movimento SIM, Manuel Coelho, recebeu este blogue uma resposta negativa, subscrita pelo Movimento SIM.

Assiste ao candidato e ao Movimento o direito de participar e colaborar onde e com quê quiser, e aos visitantes do blogue e eleitores tirar as suas conclusões.

A proposta consiste em:

1) entrevista com 4, 5 perguntas idênticas, enviadas a todos os candidatos, e publicadas no mesmo dia, de modo a nenhum candidato obter vantagem, respondendo com base em respostas dos adversários;

2) envio mensal de um texto de tema e dimensões livres, publicado na íntegra;

3) resposta a questões colocadas pelos visistantes, enviadas e aceites previamente pelos candidatos.

Qual é a possibilidade de haver de o blogue não "garantir a igualdade de tratamento e oportunidade na utilização do espaço, como refere no convite que nos efectuou"? Desconheço.


Mas a prova da boa fé e da isenção garantida a todos os candidatos, é o facto de não me ter limitado a publicar a resposta a dizer que não, mas tê-la publicado na íntegra

"Caro António Braz:

Tendo em conta um comentário por si emitido no blogue Estação de Sines no dia 04 de Abril de 2009, onde frisa que “este blogue [Estação de Sines], e eu especialmente [António Braz] é contra Manuel Coelho e deseja ardentemente que ele perca - o que vai suceder - e de preferência de forma humilhante - o que não vai suceder”, o Movimento SIM - Sines Interessa Mais considera não estarem reunidas as condições para que o Estação de Sines se comprometa a garantir a igualdade de tratamento e oportunidade na utilização do espaço, como refere no convite que nos efectuou, pelo que nos vemos forçados a rejeitá-lo."

E por aqui podíamos ficar, mas não, fiz questão de atender à solicitação:

"Os sineenses poderão conhecer todas as propostas e acções do SIM no blogue oficial do Movimento, em www.sinesinteressamais.blogspot.com. O Movimento SIM irá realizar nos próximos meses várias reuniões e sessões temáticas abertas à população e participará nas iniciativas levadas a cabo pelos meios de comunicação social locais e regionais.

O SIM solicita a publicação desta resposta na íntegra, da mesma forma que foi publicado o convite na íntegra."

A parte final do texto, é uma tentativa pobre, mas conseguida, de utilizar a Estação de Sines, como veículo para publicitar a campanha do SIM. Conseguida, porque como foi anunciado, este blogue, dá o mesmo destaque aos grandes como aos pequenos partidos e movimentos, independentemente das estratégias.

Deste modo este espaço, encontra-se ao dispôr do Movimento Sim, como dos restantes candidatos e forças politicas para promoverem as suas iniciativas.

Será que isto é que é política??

Ponho-me a ler os posts colocados neste blog, desde que se começou a delinear as pessoas para pertencerem às listas dos diferentes partidos e agrupamentos, que vão concorrer à Câmara Municipal de Sines, e chego à conclusão que os debates entre os políticos são inexistentes.
Não deveriam estes Senhores preocupar-se mais com o desenvolvimento do município e menos com as acusações pessoais, de teor baixo e mesquinho?
É impressionante como o combate pessoal é levado ao extremo, e as possíveis soluções para os reais problemas de Sines são pura e simplesmente deixadas de lado!
Aqui fica um conselho aos Senhores candidatos: Dêem-nos razões para comentar as vossas boas ideias para o município, e gastem menos tempo a ofender-se mutuamente e a viver no passado. Preocupem-se sim com o futuro, pois é onde todos nós iremos passar o resto das nossas vidas!

Dúvida


Por vezes, abro a torneira encho um copo de água e ... fico uns segundos a olhar para o precioso liquido, como se esta me pudesse dizer se está boa.

Ando curioso para saber como estará a nossa água, talvez porque perdeu o odor característico de quando somos abastecidos pela empresa Águas de Santo André. Serão as análises efectuadas diariamente? E a não serem, quantos dias puderemos estar (ou estivemos) a beber água imprópria, até ser detectado na próxima análise?

Resposta Francisco do Ó (CDU)

O candidato Francisco do Ó, da CDU, manifestou a sua disponibilidade e agrado em participar nas acções a desenvolver por este blogue, no âmbito das próximas eleições autárquicas.