sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Alguém nos acuda

Os trabalhadores da Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) de Sines, em greve há 24 dias, temem que os detritos comecem em breve a "correr para o mar", revelou hoje à Lusa um representante sindical.

Segundo Daniel Silvério, representante local do Sindicato dos Trabalhadores da Química, Farmacêutica, Petróleo e Gás (Sinquifa), a capacidade de armazenamento dos resíduos tratados na estação está perto de atingir o limite.
"A ETAR tem capacidade para aguentar mais uma ou duas semanas, mas também depende das condições meteorológicas, porque, se começar a chover, o caudal de água pode encher o armazenamento e começar a correr para o mar", alertou.

"Ainda não conseguimos chegar a um acordo com a empresa que explora a ETAR (Sisáqua) e, enquanto isso não acontecer, vamos continuar em greve", afiançou Daniel Silvério à Lusa.
Apontando o dedo à empresa por "se recusar a negociar", o Sinquifa garante no entanto que os trabalhadores "estão a fazer tudo para minimizar os impactes ambientais e realizam rondas frequentes às instalações".


A Águas de Santo André (AdSA), proprietária da ETAR, já se mostrou preocupada com o "não cumprimento" dos serviços mínimos decretados pelos ministros do Trabalho e da Solidariedade Social e do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional.
A AdSA alertou que, a manter-se a situação, a empresa "fica impedida de assegurar o cumprimento do normativo de descarga de águas residuais e consequentemente da salvaguarda do bem-estar da população, da preservação da saúde pública, da qualidade das águas balneares e dos valores ambientais da envolvente ao sistema de água residual".
A empresa do grupo da Águas de Portugal (AdP) adiantou ainda que o incumprimento destas obrigações "poderá implicar a rescisão do contrato de prestação de serviços com o consórcio".
A ETAR da Ribeira de Moinhos assegura a recolha, tratamento e rejeição de efluentes provenientes da Zona Industrial e Logística de Sines (ZILS) e das águas residuais urbanas de Vila Nova de Santo André e de parte da cidade de Sines.
Agência Lusa

Petição para implementação do Orçamento Participativo em Sines

A petição já está online e pronta a ser assinada em http://www.petitiononline.com/opsines/petition.html

A petição é aberta aos eleitores do município de Sines e aos demais cidadãos

João Vieira Pinto Biography channel

Na hora da partida de João Pinto, um dos melhores jogadores de sempre do futebol português, a homenagem dum sportinguista. Obrigado João Pinto, o futebol português terá pelo menos tantas saudades tuas como aquelas que nós sportinguistas temos sentido.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Tribunal em Sines - Boas Novas

Os autarcas do Litoral Alentejano receberam hoje "com muito agrado" a proposta para a reorganização judiciária naquela comarca piloto, que dá conta da continuidade dos quatro tribunais actuais e da abertura de um novo, em Sines.
O novo mapa judiciário, inserido no Pacto da Justiça que tinha sido assinado entre o PS e o PSD, prevê a conversão das 230 comarcas actualmente existentes em 35 tribunais regionais.
Esta mudança deve iniciar-se em Setembro com uma experiência-piloto em três das futuras circunscrições: Baixo Vouga, Lisboa-Sintra e Alentejo Litoral.
No Litoral Alentejano existem quatro tribunais, localizados nas cidades de Alcácer do Sal e Santiago do Cacém e nas vilas de Grândola e Odemira.
Outra novidade que o autarca destacou é a intenção de criar no "único dos cinco concelhos onde não está instalado qualquer juízo (Sines) um tribunal especializado em assuntos da família e do trabalho".
A proposta foi igualmente "bem acolhida" pela autarquia sineense, que destacou a anunciada "melhoria do funcionamento dos tribunais na zona, com especializações diferenciadas em vários sítios".
O presidente do município, Manuel Coelho (CDU), regozijou-se com a proposta, que considera ser "muito interessante para o Litoral Alentejano e para Sines", embora prefira conter o entusiasmo até que haja uma "decisão definitiva".
"Isto foi uma reunião de trabalho, agora é prudente que aguardemos pela decisão final, mas penso que há uma enorme probabilidade de se concretizar".O autarca considera, de resto, "lógico" que Sines venha a acolher um tribunal destes, já que, defende, "é o município mais urbano do Alentejo e com a maior concentração de unidades de produção que empregam milhares de trabalhadores".
Segundo dados de 2006 disponibilizados hoje à agência Lusa pelo Ministério da Justiça, no Litoral Alentejano, o Tribunal de Santiago do Cacém (de círculo) era o que tinha mais processos pendentes, num total de 1.897.
Adaptado de Agência Lusa
Ver no site do Diário do Alentejo (link ao lado) a opinião de Francisco Pacheco, presidente da Assembleia Municipal de Sines

Apito Duracell

Quando Maria José Morgado foi anunciada como responsável pela investigação do Apito Dourado, fui acometido duma profunda desilusão e cepticismo. Onde muitos viram uma mulher sem medo, pronta a enfrentar todos os desafios, eu vi uma forma de credibilizar a investigação e legitimar os seus resultados.
Para quem tem acompanhado o processo Apito Dourado e acreditou que se tratava de uma Operação Mãos Limpas, desiluda-se.
Investiga-se jogos onde os suspeitos perderam, ou não necessitavam de ganhar ou até foram prejudicados; investiga-se conversas cifradas em códigos patéticos, que todos entendem mas que podem significar um milhão de coisas diferentes, e a prova judicial não se compadece com dúvidas; a principal testemunha de acusação é ex-alternadeira e de perfil psicológico dúbio também acusada de inúmeros ilícitos; assistimos a um desfile de testemunhos contraditórios, tornando os arguidos ora vítimas depois vilões.
Resta-nos uma certeza a conexão entre os suspeitos no poder da Direcção da Liga, Arbitragem ou Clubes e as vitórias dos clubes do seu coração. Bom para quem acredita em coincidências.
Preocupa-me que a politica (vereadores, presidentes de autarquias) e a justiça (juízes e ex-juízes) estejam enterrados neste lamaçal.
Exaspera-me a lentidão da justiça do nosso País, não pretendo uma justiça à afegã onde se julga hoje e se enterra amanhã, mas também não enobrece uma justiça que vai de recurso em recurso até à absolvição final.
As “normais” e previsíveis agressões a Ricardo Bexiga e Rui Santos, fazem parte deste teatro da impunidade e cobardia a que todos assistimos impávidos e serenos.
Tudo é normal num País onde a Moral é apenas uma disciplina do Liceu, e opcional.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

A Oeste Nada de Novo

A Comissão Política de Sines do Partido Socialista vai a votos, segundo sei o actual Presidente Carlos Salvador não se recandidata, e haverá uma única lista candidata liderada pelo Engº. Idalino José. Não havendo renovação trata-se de uma novidade, Idalino José se candidatar a tal cargo. Já que não há revolução espero que haja evolução e que encontrem uma nova forma de fazer oposição, o que se afigura difícil os mesmos fazerem diferente. Espero sinceramente que o PS Sines encontre finalmente o seu Salvador.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Desemprego entre licenciados cresceu 63,6% com José Sócrates

“A falta de planeamento na educação em Portugal gera custos elevados, desemprego e atraso”, assegura Eugénio Rosa e diz também que "o desemprego nos licenciados disparou".
De acordo com um estudo efectuado pelo economista Eugénio Rosa sobre a educação em Portugal a falta de planeamento na educação tem gerado no nosso país “custos elevados, desemprego e atraso”. O economista assegura que "em 2007 a percentagem de portugueses empregados com ensino superior era inferior à média europeia". Eugénio Rosa salienta o facto de "entre o 1º trimestre de 2005, data em que Sócrates tomou posse, e o 4º trimestre de 2007 o desemprego total ter aumentado 6,5 por cento e no caso dos licenciados ter crescido 63,6 por cento".
"A falta de adequação das saídas tanto do ensino secundário como do ensino superior às necessidades de desenvolvimento do país também tem contribuído para o aumento do desemprego", frisou o economista. Acrescentou ainda que esta questão "resulta da ausência total de qualquer planeamento na área da educação e do facto de se acreditar pura e simplesmente na actuação do mercado".

Tendo em conta de grande parte dos contratados a recibo verde e dos estágios profissionais são o “emprego” de muitos licenciados, temos que questionar onde tem estado o papel de regulador do mercado que o Estado têm obrigação de assegurar, para já não falar do tão apregoado sucesso do choque tecnológico.

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

Complexo Multidesportivo do Litoral Alentejano

Desde sempre fui apologista da existência de equipamentos inter-municipais, pelas sinergias e economias de escalas e optimização de recursos que proporcionam e pela coesão social que fomentam, numa sub-região ( triângulo Sines/Santo André/Santiago) que tem o dever e responsabilidade de se afirmar como o motor de desenvolvimento a sul do Tejo. Assim quando se prepara a construção de um complexo desportivo municipal de Sines, eu proponho a construção de de um Multi Desportivo InterMunicipal do Litoral Alentejano, com diversos campos relvados de treino e jogo, pista de atletismo, pavilhões, ginásio, campo de tiro, centro de estágio, etc, que substituíse as instalações desportivas das três localidades e se constitui-se como um equipamento de referência a nível nacional. Um investimento impossível para uma autarquia, exequível para todos se unirem esforços.
Por isso quando o Prof. Eng. Manuel da Costa Lobo (IST), Coordenador da equipa de revisão do PDM de Sines afirma que: devemos "assumir uma nova dimensão tripla, o "Trevo"de Sines, Santiago do Cacém e Santo André, em que em vez de competirem pela respectiva existência, os três polos irão complementar-se e constituir um complexo urbano maior e de muitas valências", revejo-me nas suas sábias e doutas palavras.

Nani e 9 segundos de magia

Longe dos jornais portugueses corre no Reino Unido a polémica sobre Nani. Nove segundos apenas separam a genialidade para uns da humilhação para outros. Nada mais ridículo.
Terá Eusébio humilhado os Coreanos em 66, Chalana achincalhado os franceses em 84, Figo ter-se-á rido de Roberto Carlos nos famosos derbys, será que Cristiano despreza os adversários quando os ultrapassa? Obviamente que não, os génios não humilham, antes valorizam quem os enfrenta.

A cigarra e a formiga

A Comissão Politica Distrital de Setúbal do PSD e a Comissão Politica da Secção de Sines do PSD, vão reunir-se, em Sines, dia 26 de Fevereiro, com a DOCAPESCA, pelas 10h30, com o Centro de Saúde de Sines, pelas 14h30 e com a Associação de Armadores, pelas 16h00.
De seguida realiza-se uma conferência de imprensa pelas 17h00 na Sede de Concelhia de Sines.

No Country for Old Men

'Onde os Fracos Não Têm Vez'

A história do filme que ganhou 4 Óscáres começa quando Llewelyn Moss (BROLIN) descobre uma pickup guardada por um grupo de mortos, com um carregamento de heroína e dois milhões de dólares em dinheiro vivo na caixa aberta da carrinha.
Quando Moss leva consigo o dinheiro, despoleta uma reacção em cadeia de catastrófica violência, que ninguém consegue travar.
À medida que Moss procura escapar aos seus perseguidores, principalmente a uma misteriosa personagem que decide a vida e a morte através do lançamento de moeda ao ar (o oscarizado BARDEM), o filme ganha dimensão abandonando o géreno trillher para abordar questões tão permentes como a violência do nosso quotidiano.

Pobreza Infantil

Portugal é um dos oito países da União Europeia (UE) onde se registam níveis mais elevados de pobreza nas crianças, nomeadamente nas que vivem com adultos empregados, segundo um relatório da Comissão Europeia.Segundo o relatório conjunto sobre a protecção social e inclusão social, que é apresentado amanhã e deverá ser adoptado no dia 29 pelo Conselho de Ministros do Emprego e Segurança Social, em Portugal há mais de 20 por cento de crianças (uma em cada cinco) expostas ao risco de pobreza.O risco abrange tanto crianças que vivem com adultos desempregados como as que vivem em lares onde não há desemprego. Neste caso, Portugal está em penúltimo lugar e é apenas ultrapassado pela Polónia – ambos com mais de 20 por cento de risco de exposição à pobreza – de uma tabela liderada pela Finlândia e Suécia, com apenas sete por cento de risco.

Veremos desta vez quem António Costa acusa de perseguir o governo ou denegrir a imagem do PM, ou será que a esmagadora realidade vai-se sobrepôr ao autismo.

sábado, 23 de fevereiro de 2008

Clima de Insegurança em Sines

De acordo com os especialistas existe uma diferença, por vezes significativa, entre a percepção de insegurança e a real insegurança existente constatada pelos números. Em Sines a insegurança objectiva de acordo com os dados existentes, é inferior à insegurança subjectiva que resulta do sentimento ou percepção da população. Porém não se perca de vista que um clima de insegurança, mesmo que subjectivo gera sempre mais insegurança, assim como a sensação de segurança, mesmo que falsa gera mais segurança.
A iluminação, a presença dissuassora do policiamento, a ausência de bolsas de pobreza, um clima social favorável são entre outros, factores que contribuem para uma sensação de segurança, que desde alguns anos abandonou a população.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Para pensar

"Diz Manuel Alegre que é preciso descobrir " o que é hoje o socialismo". Está descoberto há cinquenta anos: chama-se social-democracia e existe nos países do norte da Europa, que são os mais prósperos e os mais justos de todo o mundo".
In crónica do Expresso, de Miguel Sousa Tavares
Só pelo facto de brotar da pena de MST, já merece atenção, sendo uma dúvida existencial de muitos militantes socialistas carece de reflexão.

O candidato quase, quaaaase perfeeeito!

O melhor do PS de Sines, encontra muito de si na figura do Eng. José Carlos Guinote. Dele quase tudo se disse, desde que era um excelente candidato e seria um mau presidente; o melhor na oposição e o pior no poder; tecnocrata; brilhante; excessivo; arrogante; genial, etc. Mas nunca insignificante. De certo foi quem mais longe levou o PS, mais dimensão deu à oposição, mudando a forma de estar na política em Sines. Arrancou das garras do marasmo, um PS moribundo. Antes dele, a insignificância traduzida nas urnas, pouco depois dele o declínio eleitoral, até à anterior insignificância.
Isto a propósito de que é sempre um redobrado prazer reencontrá-lo, vendo que mantêm a sagacidade, conhecimento, oportunidade e capacidade de incomodar o status quo, enfim tudo aquilo que é excessivo para uma Concelhia e um Partido que se quer acomodada, amordaçada, discreta e pertinho do poder a ver se sobra algum.
Aceder ao link abaixo é perceber a distância entre José Carlos Guinote e os Outros.

http://umportodostodosporum.blogspot.com/2007/05/mais-valias-quem-as-gera-e-quem-as_20.html

parque temático arqueológico na Ilha do Pessegueiro

O Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade (ICNB), o Turismo de Portugal e a Associação da Hotelaria apresentaram hoje, 22 de Fevereiro, em Grândola um conjunto de projectos para tornar mais "enriquecedora" a visita aos Parques Naturais, a um público de cerca de 70 agentes locais.
Uma das propostas "vista com bons olhos" pelos agentes locais foi a instalação de um parque temático arqueológico na Ilha do Pessegueiro (Sines), dada como exemplo de um leque de opções em que apostar.

Comunicado da SEDES

TOMADA DE POSIÇÃO - FEVEREIRO 2008
1) UM DIFUSO MAL ESTAR
Sente-se hoje na sociedade portuguesa um mal estar difuso, que alastra e mina a confiança essencial à coesão nacional.

Nem todas as causas desse sentimento são exclusivamente portuguesas, na medida em que reflectem tendências culturais do espaço civilizacional em que nos inserimos. Mas uma boa parte são questões internas à nossa sociedade e às nossas circunstâncias. Não podemos, por isso, ceder à resignação sem recusarmos a liberdade com que assumimos a responsabilidade pelo nosso destino.

Assumindo o dever cívico decorrente de uma ética da responsabilidade, a SEDES entende ser oportuno chamar a atenção para os sinais de degradação da qualidade da vida cívica que, não constituindo um fenómeno inteiramente novo, estão por detrás do referido mal estar.


2) DEGRADAÇÃO DA CONFIANÇA NO SISTEMA POLÍTICO

Ao nível político, tem-se acentuado a degradação da confiança dos cidadãos nos representantes partidários, praticamente generalizada a todo o espectro político.

É uma situação preocupante para quem acredita que a democracia representativa é o regime que melhor assegura o bem comum de sociedades desenvolvidas. O seu eventual fracasso, com o estreitamento do papel da mediação partidária, criará um vácuo propício ao acirrar das emoções mais primárias em detrimento da razão e à consequente emergência de derivas populistas, caciquistas, personalistas, etc.

Importa, por isso, perseverar na defesa da democracia representativa e das suas instituições. E desde logo, dos partidos políticos, pilares do eficaz funcionamento de uma democracia representativa. Mas há três condições para que estes possam cumprir adequadamente o seu papel.

Têm, por um lado, de ser capazes de mobilizar os talentos da sociedade para uma elite de serviço; por outro lado, a sua presença não pode ser dominadora a ponto de asfixiar a sociedade e o Estado, coarctando a necessária e vivificante diversidade e o dinamismo criativo; finalmente, não devem ser um objectivo em si mesmos...

É por isso preocupante ver o afunilamento da qualidade dos partidos, seja pela dificuldade em atrair e reter os cidadãos mais qualificados, seja por critérios de selecção, cada vez mais favoráveis à gestão de interesses do que à promoção da qualidade cívica. E é também preocupante assistir à tentacular expansão da influência partidária – quer na ocupação do Estado, quer na articulação com interesses da economia privada – muito para além do que deve ser o seu espaço natural.

Estas tendências são factores de empobrecimento do regime político e da qualidade da vida cívica. O que, em última instância, não deixará de se reflectir na qualidade de vida dos portugueses.


3) VALORES, JUSTIÇA E COMUNICAÇÃO SOCIAL

Outro factor de degradação da qualidade da vida política é o resultado da combinação de alguma comunicação social sensacionalista com uma justiça ineficaz. E a sensação de que a justiça também funciona por vezes subordinada a agendas políticas.

Com ou sem intencionalidade, essa combinação alimenta um estado de suspeição generalizada sobre a classe política, sem contudo conduzir a quaisquer condenações relevantes. É o pior dos mundos: sendo fácil e impune lançar suspeitas infundadas, muitas pessoas sérias e competentes afastam-se da política, empobrecendo-a; a banalização da suspeita e a incapacidade de condenar os culpados (e ilibar inocentes) favorece os mal-intencionados, diluídos na confusão. Resulta a desacreditação do sistema político e a adversa e perversa selecção dos seus agentes.

Nalguma comunicação social prolifera um jornalismo de insinuação, onde prima o sensacionalismo. Misturando-se verdades e suspeitas, coisas importantes e minudências, destroem-se impunemente reputações laboriosamente construídas, ao mesmo tempo que, banalizando o mal, se favorecem as pessoas sem escrúpulos.

Por seu lado, o Estado tem uma presença asfixiante sobre toda a sociedade, a ponto de não ser exagero considerar que é cada vez mais estreito o espaço deixado verdadeiramente livre para a iniciativa privada. Além disso, demite-se muitas vezes do seu dever de isenta regulação, para desenvolver duvidosas articulações com interesses privados, que deixam em muitos um perigoso rasto de desconfiança.

Num ambiente de relativismo moral, é frequentemente promovida a confusão entre o que a lei não proíbe explicitamente e o que é eticamente aceitável, tentando tornar a lei no único regulador aceitável dos comportamentos sociais. Esquece-se, deliberadamente, que uma tal acepção enredaria a sociedade numa burocratizante teia legislativa e num palco de permanente litigância judicial, que acabaria por coarctar seriamente a sua funcionalidade. Não será, pois, por acaso que é precisamente na penumbra do que a lei não prevê explicitamente que proliferam comportamentos contrários ao interesse da sociedade e ao bem comum. E que é justamente nessa penumbra sem valores que medra a corrupção, um cancro que corrói a sociedade e que a justiça não alcança.


4) CRIMINALIDADE, INSEGURANÇA E EXAGEROS

A criminalidade violenta progride e cresce o sentimento de insegurança entre os cidadãos. Se é certo que Portugal ainda é um país relativamente seguro, apesar da facilidade de circulação no espaço europeu facilitar a importação da criminalidade organizada. Mas a crescente ousadia dos criminosos transmite o sentimento de que a impune experimentação vai consolidando saber e experiência na escala da violência.

Ora, para além de alguns fogachos mediáticos, não se vê uma acção consistente, da prevenção, da investigação e da justiça, para transmitir a desejada tranquilidade.

Mas enquanto subsiste uma cultura predominantemente laxista no cumprimento da lei, em áreas menos relevantes para as necessidades do bom funcionamento da sociedade emerge, por vezes, uma espécie de fundamentalismo utra-zeloso, sem sentido de proporcionalidade ou bom-senso.

Para se ter uma noção objectiva da desproporção entre os riscos que a sociedade enfrenta e o empenho do Estado para os enfrentar, calculem-se as vítimas da última década originadas por problemas relacionados com bolas de Berlim, colheres de pau, ou similares e os decorrentes da criminalidade violenta ou da circulação rodoviária e confronte-se com o zelo que o Estado visivelmente lhes dedicou.

E nesta matéria a responsabilidade pelo desproporcionado zelo utilizado recai, antes de mais, nos legisladores portugueses que transcrevem para o direito português, mecânica e por vezes levianamente, as directivas de Bruxelas.


5) APELO DA SEDES

O mal-estar e a degradação da confiança, a espiral descendente em que o regime parece ter mergulhado, têm como consequência inevitável o seu bloqueamento. E se essa espiral descendente continuar, emergirá, mais cedo ou mais tarde, uma crise social de contornos difíceis de prever.

A sociedade civil pode e deve participar no desbloqueamento da eficácia do regime – para o que será necessário que este se lhe abra mais do que tem feito até aqui –, mas ele só pode partir dos seus dois pólos de poder: os partidos, com a sua emanação fundamental que é o Parlamento, e o Presidente da República.

As últimas eleições para a Câmara de Lisboa mostraram a existência de uma significativa dissociação entre os eleitores e os partidos. E uma sondagem recente deu conta de que os políticos – grupo a que se associa quase por metonímia “os partidos” – são a classe em que os portugueses menos confiam.

Este estado de coisas deve preocupar todos aqueles que se empenham verdadeiramente na coisa pública e que não podem continuar indiferentes perante a crescente dissociação entre o conceito de “res pública” e o de intervenção política!

A regeneração é necessária e tem de começar nos próprios partidos políticos, fulcro de um regime democrático representativo. Abrir-se à sociedade, promover princípios éticos de decência na vida política e na sociedade em geral, desenvolver processos de selecção que permitam atrair competências e afastar oportunismos, são parte essencial da necessária regeneração.

Os partidos estão na base da formação das políticas públicas que determinam a organização da sociedade portuguesa. Na Assembleia ou no Governo exercem um mandato ratificado pelos cidadãos, e têm a obrigação de prestar contas de forma permanente sobre o modo como o exercem.

Em geral o Estado, a esfera formal onde se forma a decisão e se gerem os negócios do país, tem de abrir urgentemente canais para escutar a sociedade civil e os cidadãos em geral. Deve fazê-lo de forma clara, transparente e, sobretudo, escrutinável. Os portugueses têm de poder entender as razões que presidem à formação das políticas públicas que lhes dizem respeito.

A SEDES está naturalmente disponível para alimentar esses canais e frequentar as esferas de reflexão e diálogo que forem efectiva e produtivamente activadas.


Sedes, 21 de Fevereiro de 2008

O Conselho Coordenador
(Vitor Bento (Presidente), M. Alves Monteiro, Luís Barata, L. Campos e Cunha, J. Ferreira do Amaral, Henrique Neto, F. Ribeiro Mendes, Paulo Sande, Amílcar Theias)

Previsões de mau estar Atmosférico

Os distritos de Lisboa, Setúbal, Beja e Faro estão hoje sob aviso Amarelo devido à previsão de chuva e trovoadas fortes, segundo o Instituto de Meteorologia.
Para os distritos de Lisboa, Beja e Setúbal aguardam-se para hoje aguaceiros temporariamente fortes e trovoadas frequentes e dispersas.
No distrito de Faro, além da chuva e trovoadas, prevê-se também ondulação entre dois e três metros.
De acordo com o Instituto de Meteorologia, o mau tempo vai generalizar-se a todo o território no fim-de-semana, não sendo, no entanto, de esperar uma situação idêntica à de segunda-feira.
A Protecção Civil alertou quarta-feira os bombeiros e autarquias para estarem preparados operacionalmente para a ocorrência de precipitação e vento forte nas regiões Centro e Sul sexta-feira e sábado.
O alerta da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) visa os "efeitos expectáveis" do mau tempo, como "inundações em meio urbano, por acumulação de águas pluviais ou insuficiência dos sistemas de drenagem".
Alerta, também, para "danos em estruturas montadas ou suspensas, aumento do número de acidentes de viação, devido à existência de piso escorregadio e eventual formação de lençóis de água ou ao arrastamento de matérias sólidas para via, curto-circuitos em casas antigas, queda de árvores e a possibilidade de estradas cortadas onde se prevê queda de neve".
A ANPC solicitou ainda aos Serviços Municipais de Protecção Civil que informem as populações das áreas mais vulneráveis e indica as medidas de prevenção e protecção que devem adoptar.
Entre as recomendações que a ANPC entende que devem ser transmitidas às populações, aconselha a "desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes que possam ser arrastados, limpeza dos bueiros, algerozes, caleiras e respectivo sistema de escoamento, fecho de portas e janelas, assim como arrumação de equipamento solto, caixotes de lixo ou outros objectos, em virtude de vento mais forte".

Previsões de Mau estar Social

A Associação para o Desenvolvimento Económico e Social (SEDES) alertou quinta-feira para um "mal-estar" na sociedade portuguesa que, a manter-se, poderá originar uma "crise social de contornos difíceis de prever". Afirma a SEDES que "sente-se hoje na sociedade portuguesa um mal-estar difuso, que alastra e mina a confiança essencial à coesão nacional". Esse "mal-estar" deve-se a "sinais de degradação da qualidade cívica", como a "degradação da confiança dos cidadãos nos representantes partidários", a "combinação de alguma comunicação social sensacionalista com uma Justiça ineficaz" e o aumento da "criminalidade violenta" e do "sentimento de insegurança entre os cidadãos". A SEDES adverte que, a manter-se o "mal-estar e a degradação da confiança (...), emergirá, mais ou cedo ou mais tarde, uma crise social de contornos difíceis de prever".
Quem ouviu a entrevista ao Primeiro-Ministro José Socrátes na Sic e depois lê o comunicado da SEDES, somente pode chegar a algumas conclusões:
- Ou a SEDES e o 1.º Ministro não vivem no mesmo País;
- Ou a SEDES e o 1.º Ministro, não falam do mesmo País;
- Ou um dos dois está errado.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Orgulho em ser Alentejano

Enviada:
quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008 19:44:05
por
George Orwell (nobody@mixmaster.it)

O ALENTEJO Palavra mágica que começa no Além e termina no Tejo, o rio da portugalidade. O rio que divide e une Portugal e que à semelhança do Homem Português, fugiu de Espanha à procura do mar. O Alentejo molda o carácter de um homem. A solidão e a quietude da planície dão-lhe a espiritualidade, a tranquilidade e a paciência do monge; as amplitudes térmicas e a agressividade da charneca dão-lhe a resistência física, a rusticidade, a coragem e o temperamento do guerreiro. Não é alentejano quem quer. Ser alentejano não é um dote, é um dom. Não se nasce alentejano, é-se alentejano. Portugal nasceu no Norte mas foi no Alentejo que se fez Homem. Guimarães é o berço da Nacionalidade, Évora é o berço do Império Português. Não foi por acaso que D. João II se teve de refugiar em Évora para descobrir a Índia. No meio das montanhas e das serras um homem tem as vistas curtas; só no coração do Alentejo, um homem consegue ver ao longe. Mas foi preciso Bartolomeu Dias regressar ao reino depois de dobrar o Cabo das Tormentas, sem conseguir chegar à Índia para D. João II perceber que só o costado de um alentejano conseguia suportar com o peso de um empreendimento daquele vulto. Aquilo que para o homem comum fica muito longe, para um alentejano fica já ali. Para um alentejano não há longe, nem distância porque só um alentejano percebe intuitivamente que a vida não é uma corrida de velocidade, mas uma corrida de resistência onde a tartaruga leva sempre a melhor sobre a lebre. Foi, por esta razão, que D. Manuel decidiu entregar a chefia da armada decisiva a Vasco da Gama. Mais de dois anos no mar... E, quando regressou, ao perguntar-lhe se a Índia era longe, Vasco da Gama respondeu: «Não, é já ali.». O fim do mundo, afinal, ficava ao virar da esquina. Para um alentejano, o caminho faz-se caminhando e só é longe o sítio onde não se chega sem parar de andar. E Vasco da Gama limitou-se a continuar a andar onde Bartolomeu Dias tinha parado. O problema de Portugal é precisamente este: muitos Bartolomeu Dias e poucos Vasco da Gama. Demasiada gente que não consegue terminar o que começa, que desiste quando a glória está perto e o mais difícil já foi feito. Ou seja, muitos portugueses e poucos alentejanos. D. Nuno Álvares Pereira, aliás, já tinha percebido isso. Caso contrário, não teria partido tão confiante para Aljubarrota. D. Nuno sabia bem que uma batalha não se decide pela quantidade mas pela qualidade dos combatentes. É certo que o Rei de Castela contava com um poderoso exército composto por espanhóis e portugueses, mas o Mestre de Avis tinha a vantagem de contar com meia-dúzia de alentejanos. Não se estranha, assim, a resposta de D. Nuno aos seus irmãos, quando o tentaram convencer a mudar de campo com o argumento da desproporção numérica: «Vocês são muitos? O que é que isso interessa se os alentejanos estão do nosso lado?» Mas os alentejanos não servem só as grandes causas, nem servem só para as grandes guerras. Não há como um alentejano para desfrutar plenamente dos mais simples prazeres da vida. Por isso, se diz que Deus fez a mulher para ser a companheira do homem. Mas, depois, teve de fazer os alentejanos para que as mulheres também tivessem algum prazer. Na cama e na mesa, um alentejano nunca tem pressa. Daí a resposta de Eva a Adão quando este, intrigado, lhe perguntou o que é que o alentejano tinha que ele não tinha: «Tem tempo e tu tens pressa.» Quem anda sempre a correr, não chega a lado nenhum. E muito menos ao coração de uma mulher. Andar a correr é um problema que os alentejanos, graças a Deus, não têm. Até porque os alentejanos e o Alentejo foram feitos ao sétimo dia, precisamente o dia que Deus tirou para descansar. E até nas anedotas, os alentejanos revelam a sua superioridade humana e intelectual. Os brancos contam anedotas dos pretos, os brasileiros dos portugueses, os franceses dos argelinos... só os alentejanos contam e inventam anedotas sobre si próprios. E divertem-se imenso, ao mesmo tempo que servem de espelho a quem as ouve. Mas para que uma pessoa se ria de si própria não basta ser ridícula porque ridículos todos somos. É necessário ter sentido de humor. Só que isso é um extra só disponível nos seres humanos topo de gama. Não se confunda, no entanto, sentido de humor com alarvice. O sentido de humor é um dom da inteligência; a alarvice é o tique da gente bronca e mesquinha. Enquanto o alarve se diverte com as desgraças alheias, quem tem sentido de humor ri-se de si próprio. Não há maior honra do que ser objecto de uma boa gargalhada. O sentido de humor humaniza as pessoas, enquanto a alarvice diminui-as. Se Hitler e Estaline se rissem de si próprios, nunca teriam sido as bestas que foram. E as anedotas alentejanas são autênticas pérolas de humor: curtas, incisivas, inteligentes e desconcertantes, revelando um sentido de observação, um sentido crítico e um poder de síntese notáveis. Não resisto a contar a minha anedota preferida. Num dia em que chovia muito, o revisor do comboio entrou numa carruagem onde só havia um passageiro. Por sinal, um alentejano que estava todo molhado, em virtude de estar sentado num lugar junto a uma janela aberta. «Ó amigo, por que é que não fecha a janela?», perguntou-lhe o revisor. «Isso queria eu, mas a janela está estragada.», respondeu o alentejano. «Então por que é que não troca de lugar?» «Eu trocar, trocava... mas com quem?» Como bom alentejano que me prezo de ser, deixei o melhor para o fim. O Alentejo, como todos sabemos, é o único sítio do mundo onde não é castigo uma pessoa ficar a pão e água. Água é aquilo por que qualquer alentejano anseia. E o pão... Mas há melhor iguaria do que o pão alentejano? O pão alentejano come-se com tudo e com nada. É aperitivo, refeição e sobremesa. E é o único pão do mundo que não tem pressa de ser comido. É tão bom no primeiro dia como no dia seguinte ou no fim da semana. Só quem come o pão alentejano está habilitado para entender o mistério da fé. Comê-lo faz-nos subir ao Céu! É por tudo isto que, sempre que passeio pela charneca numa noite quente de verão ou sinto no rosto o frio cortante das manhãs de Inverno, dou graças a Deus por ser alentejano. Que maior bênção poderia um homem almejar?

Dias cinzentos, pura diversão

video video

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Fonte Danone

Ontem por volta das 20 horas publiquei a seguinte informação:
"Fonte segura informa a previsão de retoma de abastecimento à cidade amanhã cerca das 12 horas."
Hoje cerca das 13.30 h, alguns pontos da cidade tinham água. É a chamada fonte Danone, faltou-lhe um bocadinho assim " ".

Um grande obrigado à minha fonte, revelou-se fidedigna mais uma vez.

Yessss

A Associação Portuguesa de Direito do Consumo (APDC) alertou hoje que qualquer consumidor pode recusar pagar o couvert que habitualmente os restaurantes colocam na mesa dos clientes sem ser pedido, mesmo que seja consumido.

Fidel Castro renuncia

Fidel Castro vai renunciar ao cargo de Presidente da República Cubana. A notícia é avançada pela edição electrónico do jornal diário Granma, órgão oficial do Partido Comunista Cubano. Raúl Castro, irmão de Fidel e actual Presidente interino, deverá ser o escolhido para presidir ao Conselho de Estado, segundo os observadores.

A anedota contada em surdina, há cerca de 6 anos quando visitei Cuba, é representativa do sentido de humor e do futuro que se adivinha para aquele extraordinário povo.
"Durante um dos infindáveis discursos de Fidel, um deputado Cubano deixou-me dormir em pleno Parlamento Cubano, quando surge um rato. Os deputados de pé exclamam: Mata, mata, mata! Estremunhado, o deputado acorda e prontamente grita: e ao irmão também!"

Foi descoberto o segredo da Academia de Alcochete

video

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

A doacção do Casino de Lisboa

A doacção do Casino de Lisboa, qual filho enjeitado, procura prováveis responsáveis de paternidade, consumada numa noite de verão. O suspeito triunvirato, desresponsabiliza-se em público, de tão ignóbil acto. O Sr. Telmo alega que passava as noites em despacho conforme atestam os colegas, o Sr. Durão encontrava-se na Base das Lages com amigos tendo inclusivé indicado a Al Qaeda como testemunha, por último o Sr. Lopes arrolou pelo menos 5 namoradas com quem passou a noite. Deste modo, adivinhando-se difícil a adopção, a criança será dada à caridade e sustentada por todos nós.

Coisas confusas

"O ministro do Ambiente responsabilizou hoje as autarquias pelas cheias."

E eu a pensar que era por causa da chuva.

A chuva trouxe...falta de água

"Informação sobre falta de água
A queda de uma barreira provocou o desmoronamento do apoio da conduta de abastecimento de água à cidade (Estrada da Afeiteira, junto à Rotunda do LIDL), na manhã de 18 de Fevereiro. Os trabalhos de reparação estão em curso. Não há previsão para o fim da reparação nem para o retomar do abastecimento de água à cidade."
In site da CMS

Fonte segura, informa a previsão de retoma de abastecimento à cidade amanhã cerca das 12 horas. Veremos.

Redução de IRS

A Lei das Finanças Locais, em vigor desde Janeiro de 2007, conferiu pela primeira vez aos municípios a possibilidade de arrecadarem 5% do IRS gerado nos respectivos concelhos, podendo, no entanto, prescindir da totalidade ou de uma parte em favor dos munícipes por deliberação própria. Desta forma as autarquias têm pela primeira vez uma participação directa nos impostos do Estado, através do IRS. Dos 308 municípios, abrangidos por esta medida, apenas 42 decidiram beneficiar os contribuintes.

A suposta intenção de os municípios poderem fixar população e promover o desenvolvimento dos seus concelhos, via competitividade fiscal e ampliar a relação directa entre a obtenção de fundos e a sua responsabilização perante os eleitores, poder-se-á tratar de uma falsa questão dado o elevado endividamento das autarquias.
No caso concreto de Sines, em que recentemente assistimos ao escalão etário de 25-35 anos a procurar habitação no Concelho de Santiago, foi o preço da habitação e a sensação de falta de segurança que os levou a mudar de Concelho e não seria a redução de IRS que os fixaria em Sines.
Do mesmo modo que não acredito que a isenção da derrama das pequenas empresas, decidido pela Câmara Municipal de Sines traga novos empresários ao Concelho ou promova o seu surgimento, primeiro pelo facto de que a maior parte das pequenas empresas não são tributadas em sede de IRC e como tal não sujeitas a derramas, depois por o atractivo económico não ser suficientemente forte.

Estas questões lembram-me os Concelhos que pagam € 500 por cada filho que os casais tenham, como forma de incentivar a natalidade e atrair população. Haverá alguém acredita no sucesso efectivo destas políticas?

De tudo isto resulta duas questões importantes, por um lado a nova Lei das Finanças Locais poderá trazer uma maior aproximação entre as autarquias e os munícipes, relativamente às questões financeiras, por outro lado o alcance das medidas esbate-se na sua reduzida amplitude, podendo resultar em sinais políticos, mas sem efeito económico significativo.
Em Sines a oposição, nomeadamente a que têm pretensões de ser poder, continua refém do dilema: propor a redução da taxa de IRS, significa reduzir as receitas camarárias, com a consequente diminuição do investimento ou corte nas despesas correntes. E depois falta a coragem de assumir qual o investimento a não efectuar ou quais as despesas a reduzir e de que forma. Eis a eterna questão.

IRS

A pedido de várias famílias (via mail) prometo brevemente fazer um artigo sobre as Câmaras que baixaram o IRS.


Subentendo que pretendam saber a minha opinião porque a CMS têm mantido os níveis de impostos no patamar mais elevado. Entretanto sugiro que (re)leia o post de 8/1, (publicado em Novembro no Notícias de Sines) sobre os benefícios e agravamentos de IMI no centro histórico

domingo, 17 de fevereiro de 2008

Falta de Educação

Um SMS a dizer "Professores em luta pelo respeito a que têm direito. Todos aos Largo do Rato.", juntou no Largo do Rato à porta da sede do PS, cerca de 200 pessoas, que brindaram José Socrates com uma monumental vaia, à entrada para uma reunião com alguns professores socialistas.

O Primeiro-Ministro declarou "absolutamente lamentável que se faça uma manifestação à porta de um partido político". "É inqualificável que tentem condicionar a actividade um partido. Nunca tinha visto isto em tantos anos de democracia. Isto não tem nada a ver com democracia, tem a ver com falta de educação. "É óbvio que são militantes", disse, "são pessoas que já fizeram o mesmo no Congresso do PS" e que "há três anos se manifestam onde quer que eu esteja".

Em duas questões concordo com José Socrates:
- trata-se de falta de educação, tal como falta saúde e justiça.
- serão militantes, certamente alguns, assim como os professores convidados.

Cá e lá, escândalos financeiros

A manifestação de milhares de espanhóis hoje em Madrid contra a passividade do seu governo em relação aos escândalos financeiros do Fórum Financeiro e Afinsa, demonstram que a distância que nos separa de nuestros hermanos não é somente económica mas também de cidadania. Para nós o caso BCP é um problema dos accionistas e lesados, para eles o caso Afinsa e Fórum Financeiro é um problema da sociedade. É nestes "pormenores" que se forja um País.

sábado, 16 de fevereiro de 2008

Ataque de Vírus

Em virtude de estarmos a ser atacados por vírus, através do envio de comentários de "Malabei", temporariamente procederei à moderação de comentários. Todos os comentários enviados, desde que não contenham vírus, serão publicados. Prometemos ser breves.

Está Aí a Roleta Dourada!

Há um dado novo sobre o caso do Casino de Lisboa. Segundo o Expresso Online, o governo liderado por Pedro Santana Lopes mudou a lei do Jogo para satisfazer a Estoril Sol.

Precisamos definitivamente de uma operação mão limpas, de um Baltasar Garçon, de algo que ou prenda esta gente ou acabe com o clima de suspeição.

José Sócrates e os Professores

«O que está a acontecer na Educação é uma contra-reforma, um desvario», descreveu ao Semanário SOL, Manuel Alegre.
"O ambiente é de tal maneira tenso que, antevendo mais desgaste, José Sócrates pediu ao PS para organizar-lhe um encontro no Largo do Rato só com professores. Cada federação distrital indicou quatro professores."
In Sol online, 2008-02-16

Os professores a indicar pelas Distritais têm que ser socialistas, militantes - com as quotas em dia-, apoiantes de José Sócrates, críticos de Manuel Alegre, defensores do actual sistema de ensino e não utilizarem anglicismos.

Concordo com muitas das políticas/reformas do Governo de José Sócrates, mas este tipo de atitude reactiva - em resposta a uma iniciativa dos apoiantes de Manuel Alegre - de distanciamento da realidade portuguesa - pedir ao partido que indique os professores para a reunião, em vez de quem os representa - e de arrogância começam a prejudicá-lo, como demonstram as sondagens. E sinceramente não vejo actualmente uma alternativa a José Sócrates, nem dentro, nem fora do partido, tal como afirmou Mário Soares, na Sic Notícias.

Derrapagem

Derrapagem por derrapagem, sempre prefiro a derrapagem financeira da obra do túnel do Marquês.


sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

os 'professorzecos'

O incrível sucedeu.

Este mês a ministra da educação foi à assembleia da república e alguns deputados do PS questionaram-na sobre algumas das suas políticas da educação.
Confrontada com essas dúvidas o que faz a ministra... Responde ? Não...

Acusa antes os deputados de ao colocarem dúvidas estarem a dar voz aos 'professorezecos'...
Assim mesmo, os 'professorzecos'.

Esta notícia foi publicada no Jornal Público, mas, por alguma razão, passou praticamente despercebida, divulguem-na para que se perceba o calibre desta ministra.
(como se a gente ainda não tivesse percebido)

http://educar.files.wordpress.com/2008/01/ps.jpg

Poluição

"Se as negociações com a Galp correrem bem, o Irão poderá ser um dos fornecedores de gás natural da petrolífera portuguesa"
DN Online, 2008-01-24

Considerando o cheiro a gás que inunda Sines desde o final da tarde parece que a Galp e o Irão já chegaram a acordo.

Desemprego

Bagão Félix disse, esta sexta-feira à TSF, acreditar que a taxa de desemprego do último trimestre de 2007 registe uma ligeira diminuição.
O primeiro-ministro José Sócrates afirmou hoje que o Governo vai conseguir cumprir o objectivo de criar 150 mil novos postos de trabalho até ao final da legislatura.
video

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Ensino Especial

A ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, pretende acabar com o ensino especial até 2013 e integrar os alunos com deficiência nas escolas de ensino regular. Os estabelecimentos de ensino incluídos na rede designada de " escolas especializadas" vão receber alunos surdos, cegos com multideficiência e autismo. As crianças com deficiência considerada menos grave serão integradas nas restantes escolas. Entretanto já forma assinados vários protocolos entre o ministério da educação, ensino especial e formação de professores.Como em tudo existe opiniões divergentes. Se por um lado existe quem critique o ensino especial, por não promover o convívio entre as crianças especiais e as outras crianças. Outros defendem que o ensino especial, como o próprio nome indica conta com professores especializados, materiais e equipamentos apropriados, etc., para além que a inclusão de alunos especiais no ensino regular promoverá um ensino a duas velocidades na mesma sala de aulas.
Independentemente das questões pedagógicas, existe outra questão, que infelizmente se sobrepõe cada vez mais às restantes, nas várias decisões deste Governo: a questão económica. Quanto pensa o Governo que irá poupar com esta medida?

Fotos Sines Séc. XX

Muchas Gracias a la Chica mas Siniense que yo conozco. Saludos




Finais anos 70's



Anos 60's


Anos 50

Baía de Sines 1938


Lar Prats anos 30 (actual Santa Casa da Msericórdia de Sines)




Ribeira Anos 30's




Vista da Vila 1910

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

Ai Timor

A sede de poder torna tudo equívoco e nebuloso, mas um País onde tentam assinar heróis da independência, representantes máximos do Estado, democraticamente eleitos, um Nobel da Paz, é um País que está definitiva e irremediavelmente doente. Ponto final.

Nova Lei Eleitoral Autárquica (IV)

A CDU Siniense autor da proposta de censura à Lei eleitoral Autárquica, sacrifica o mais que prevísivel reforço da sua posição na autarquia, com a nova lei, em nome das muitas autarquias em que perderá influência.
Posição confortável, pois a moção demonstra uma preocupação nacional que localmente em nada os afectará, antes pelo contrário.

Nova Lei Eleitoral Autárquica (III)

Faça-se o elogio.
O PSD Siniense foi a antítese do PS local. Votou a favor a moção critica à proposta de Lei Eleitoral Autárquica. "Achamos que esta lei é demasiado presidencialista e é prejudicial para o regime democrático, porque benefecia dois partidos centralista (PS e PSD)", afirmou Micael Raposo do, deputado municipal eleito pelo PSD. "Para se alterar esta lei (a actual) teria que se ir mais além, aumentando efectivamente os poderes da Assembleia Municipal (...) o que à partida é muito difícil". Não posso estar mais de acordo.
O PSD local revelou a coragem de não alinhar nos interesse nacionais do seu Partido. Para uma Concelhia que só tem a ganhar com esta proposta, uma vez que raramente elege vereadores e está sempre representado na AM (que poderá reforçar os seus poderes), mais que coragem, foi uma questão de consciência.
Ele há dias assim.

Nova Lei Eleitoral Autárquica (II)

Faça-se justiça.
O Presidente da Junta de Freguesia do Porto Covo, eleito pelo PS, manisfestou-se contra a proposta de lei, que caso seja aprovada impossibilitará os Presidente de Freguesia a votar o Orçamento Municipal e as Grandes Opções do Plano. Primeiro o Porto Covo e os interesses das suas gentes, depois o PS e a pretensão de hegemonia do poder.
Louvável o deputado do PS, Pedro Ventura pela sua abstenção, mesmo não conhecendo a sua declaração de voto, pela coragem que é necessária para quebrar a disciplina (???) partidária.

Nova Lei Eleitoral Autárquica

Idalino José, figura proeminente do PS Siniense, com quem partilhei 4 anos de assembleia municipal e 4 anos de vereação e de quem sempre admirei a sua abnegação, dedicação e fidelidade ao partido que representa, afirmou recentemente que "Haver três vereadores do PS, como já aconteceu em Sines, sem poderem executar, não faz sentido. Estas alterações podem trazer mais eficácia aos executivos".
As alterações a que se refere Idalino José, são as previstas na proposta, do PS e PSD, de revisão da Lei Eleitoral Autárquica, que entre outras prevêem o fim da existência de vereadores que não do partido mais votado.
Pode-se discutir o alcance da proposta, o equilibrio de poderes que gera, as suas implicações, tudo isso é legítimo. Agora o que não compreendo é de que forma enquanto fui vereador, assim como os meus colegas, retirámos eficácia ao executivo? o facto de não termos poderes executivos tira o sentido de fazermos oposição, no sentido lato, de fiscalizar, propor e contribuir para as questões autárquicas? Teriam os vereadores do PS o mesmo poder de intervenção, fiscalização e conhecimento dos dossiers autárquicos estando na Assembleia Municipal?
Três vezes não, digo eu com conhecimento, fruto da experiência que quem esteve na AM e na vereação.
Obviamente, que esta proposta favorece quem está no poder. Idalino José sacrifica a posição do PS Sines em prol do PS Nacional. Para mim que sempre fui primeiro de Sines e só depois do PS, e sempre que houve colisão de interesse não tive dúvidas qual o lado da barricada a escolher, à fidelidade e disciplina partidária demonstrada pelo PS Sines, chamo subserviência aos interesses da Distrital.
Como explicar aos eleitores que votaram PS para a CMS que afinal não fazia sentido eleger vereadores se não ganhassemos? O PS nos concelhos em que não é poder autáquico e cuja Concelhia concorda com a proposta de lei terá muito a explicar ao seu eleitorado.

Sines no seu melhor


Enviado, hoje, via mail por OlhoVivo

Sines no seu melhor



почему японское посещение dont это blog? or 简体中文版

Estas são as grandes questões que se impõem actualmente neste blog?

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

A melhor forma

video

Afinal descobri uma forma de podermos ir às sessões temáticas sobre o novo PDM de Sines, sejam elas às 10 da manhã ou noutra hora de trabalho. Ninguém nos segura.

1ª Sessão Temática PDM - Turismo

Decorreu hoje a 1ª sessão temática sobre o novo PDM de Sines, onde foi abordada a questão do Turismo. Num post anterior já louvei esta inciativa da autarquia, mas lamento uma pequeníssima questão: às 10 da manhã, de um dia de semana, algumas pessoas estão a trabalhar.

Creches em Sines

Exibiu ontem a Sic Noticias um documentário sobre as políticas de familia e natalidade na Alemanha e França. Enquanto, no pós 2ª Grande Guerra a Alemanha apostou no prolongamento da licença de maternidade a França alargou a rede escolar de 1ª infância e promoveu a existência de creches nas grandes empresas. Desde alguns anos a França mantêm uma taxa de natalidade superior à Alemanha. Uma das explicações de uma mãe Alemã revelou-se um contributo importante para a compreensão do que se passou: "Na Alemanha o facto de somente trabalharmos a parte da manhã, para ficarmos com os nossos filhos na parte da tarde, torna impossível termos uma carreira profissional".
Hoje por coincidência o "Noticias de Sines" aborda esta questão sobre outro prisma - em Sines a procura de vagas nas creches supera a oferta existente.
Com o incremento populacional esperado com o investimento industrial, este problema tende a agudizar-se. Em Sines existem 3 creches: "A Conchinha" (Segurança Social), "O Pintaínho" (Cáritas) e "O Capuchinho Vermelho" (Santa Casa da Misericórdia de Sines), todas a necessitar de novas instalações, apenas as privadas a anunciar o inicio de investimentos, nenhuma a prever o alargamento da oferta.
Se Sines pretende fixar e atrair população, nomeadamente jovens casais, esta é uma questão primordial, nunca mencionada nas preocupações que acarreta o previsto aumento populacional da Cidade.
Se a Segurança Social não pretende alargar a sua oferta, necessita bem mais que o actual Programa Pares para promover o alargamento da oferta por parte das instituições privadas.
Entretanto recorre-se a amas, familiares ou simplesmente trabalha-se em Sines e "vive-se" noutra localidade onde a familia tenha as adequadas respostas sociais.

2ª Feira de Trabalho chegou ao fim

video

Hino à Amizade

video

Não sou apreciador de touradas, mas isto é mais que uma pega, é amizade, camaradagem, solidariedade, coragem, heroísmo e outros elevados sentimentos humanos.

domingo, 10 de fevereiro de 2008

A culpa é sempre do treinador.

O presidente do INEM, Luís Manuel Cunha Ribeiro, foi demitido este domingo pela nova minstra da Saúde, Ana Jorge.
Finalmente está resolvido o problema da Saúde em Portugal, digo eu.

Novo PDM Sines

Entre Fevereiro e Maio irão decorrer sessões temáticas que permitirão à população de Sines participar activamente na revisão do PDM, tendo em conta a elaboração do novo plano. Um bom exemplo de apelo a participação dos munícipes, podem consultar o calendários da sessões nos links da CMS e PDM Sines. A nossa participação para além de significar um contributo para o futuro capacita cada um de nós a conhecer o futuro ordenamento territorial da Cidade onde vivemos. Trata-se sem dúvida de uma boa oportunidade de expor e debater as nossas idéias e conceito de fruição do espaço.

Nota:
O PDM é um instrumento de gestão territorial (IGT) de elaboração obrigatória , no qual assenta a política de Ordenamento do Território.
O conjunto dos IGT constitui-se como um instrumento de planeamento territorial, destacando-se pela sua natureza estratégica e também regulamentar que vincula administração pública e particulares, estabelecendo o modelo de estrutura espacial do território municipal que assenta, essencialmente, na classificação do uso do solo.
De acordo com o diploma que estabelece o regime jurídico dos IGT (Decreto-lei n.º 380/99, de 22 de Setembro e alterações), o PDM é constituído pelos seguintes elementos:
ELEMENTOS FUNDAMENTAIS
- REGULAMENTO
Estabelece os princípios, normas e mecanismos reguladores das acções de intervenção e utilização do território
- PLANTA DE ORDENAMENTO
Modelo de estrutura espacial do território municipal de acordo com a classificação e a qualificação dos solos e as unidades operativas de planeamento e gestão definidas
- PLANTA DE CONDICIONANTES
Identifica as servidões e restrições de utilidade pública em vigor
- PLANTAS DA RAN E DA REN
Delimitam as áreas afectas à Reserva Agrícola Nacional e à Reserva Ecológica Nacional

ELEMENTOS ANEXOS
- Estudos de caracterização do território municipal;
- Relatório fundamentando as soluções adoptadas;
- Programa de Execução e Plano de Financiamento
Não obstante o seu caracter regulamentar, o PDM deve inserir-se num âmbito de planeamento estratégico mais vasto.

sábado, 9 de fevereiro de 2008

No Country for Old Men

“Um trabalhador que esteja cansado física ou psicologicamente – porque está mais velho, porque tem problemas familiares, porque trabalhar naquela empresa não era exactamente o que pretendia ou porque se desinteressou do trabalho – deve poder ser despedido por justa causa”, defendeu em conversa com o Correio da Manhã Gregório Rocha Novo, membro da direcção da CIP.
Outra razão que os patrões querem ver consagrada como justa causa para o despedimento é a “renovação” do quadro de pessoal sem redução do número de postos de trabalho. Neste ponto, a CIP tem o apoio da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP).
In site do correio da manhã

Enquanto os irmão Coen, lançam o filme "Este País não é para velhos", em Portugal a CIP e a CCP vão mais longe. Querem um País que não seja para velhos, gente cansada, com probelmas familiares e/ou psicológicos, etc. Logo, logo a cor da pele, ideologia, religião, etc, conferiram direito a despedimento com justa causa.
A rotatividade dos postos de trabalho, que eu defendo, têm que ser feita a partir do trabalhador e depende da existência de um mercado de pleno emprego e de uma assistência social forte, dois factores que Portugal está longe de alcançar. Impôr a rotatividade de emprego de despedimentos pelos motivos propostos, não é politica de emprego é selvajaria e fascismo.
O Partido Socialista nem devia falar com gente desta e os patrões com noção de responsabilidade social têm o dever de não se deixarem representar por tal gentalha.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

list of winners 2008 - world press photo of the year

Link para a páginas dos vencedores, onde consta um português, fotojornalista do jornal desportivo Record, na categoria de Sports Action.

http://www.worldpressphoto.org/index.php?option=com_photogallery&task=blogsection&id=18&type=byname&Itemid=188&bandwidth=high

Manuel Alegre

Manuel Alegre afirma que não se revê neste PS. E isto é notícia de 1ª página?

"Ou, como dizia o general (Garcia Leandro), as pessoas hoje estão nos partidos mais para resolverem os seus problemas pessoais do que por ideologia?"

"sei que as pessoas desconfiam hoje dos partidos e a tendência é mais para movimentos de cidadãos"

"aquilo a que se pode chamar o aparelho partidário, que são as estruturas, os que estão à frente da direcção nacional, das direcções intermédias, das federações, nas autarquias. Isso é um muro perfeitamente impenetrável. O PS ainda se move por alguma ideologia?"

São estas algumas das afirmações, que um dos símbolos do partido socialista português e candidato presidencial que valeu mais de 1 milhão e cem mil votos coloca hoje em entrevista ao jornal Público. O problema é tanto maior quanto a maioria dos militantes do PS não conhece o programa do governo, quanto mais a ideologia socialista, vive-se no imediatismo do interesse pessoal. Estranho é só agora as elites partidárias terem acordado.

World Press Photo 2008


Se uma imagem vale por mil palavras, existem imagens que falam por milhares de pessoas.
Assim se passa com esta foto de Tim Hetherington, vencedora do primeiro prémio World Press Photo 2008, na qual vemos um soldado norte-americano num bunker no Afeganistão.
O seu rosto exausto é a voz da sua nação, o seu olhar incrédulo a expressão de muitos de nós. Tudo numa imagem.

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

Rumo ao Verão

Hora do Pôr-do-sol, em Sines:

dia 7/2 - 18:05
dia 9/2 - 18:07
dia 11/2 - 18:09
dia 13/2 - 18:11
dia 15/2 - 18:13
dia 18/2 - 18:17

Esta não entendi.

"Existe uma conduta que une o terminal de Gás Natural do Porto de Sines, o nosso benemérito de estimação e dois políticos locais com energéticas ligações aos senhores da luz.
Quando vier do Brasil, Mr Big vai ao Trianon… quem sabe se isto interessa ao nosso Bastonário… pode ser que o outro Pinto possa ver se cheira a gás… ou a esturro…" (???)

Post do Blogue O sexo e a Cidade - Alternando em Coimbra (http://osexoeacidade.wordpress.com)
Esta ultrapassa a minha compreensão

Postais antigos de Sines

Na minha cruzada para encontrar fotos antigas de Sines, esbarrei neste site de venda de postais antigos, com alguns que são novidade absoluta para mim. Imagens muito interessantes.


http://cartes-postales.delcampe.net/list.php?language=F&search_type=builder&id_member=00170335&searchbuilder_type=AND&searchbuilder_inc=sines&cat=894

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

Rotativismo no Século XXI

A tentativa de eliminação dos pequenos partidos e a nova lei eleitoral autárquica, comprovam o caminho traçado a régua e esquadro, pelo PS e PSD, rumo à centralização e divisão do poder, entre comadres, regressando-se "ao rotativismo político" do século XIX, com os principais partidos portugueses a tomarem o lugar de regeneradores e progressistas.

Candidato?

Quando alguém me pergunta quando me candidato, entendo como o piscar de olho para dois dedos de conversa, se duas pessoas fazem a mesma pergunta no espaço de poucos dias, aceito como coincidência, já quando passa das duas pessoas e acompanham a pergunta sobre listas independentes, fico apreensivo.Existe uma preocupação crescente na sociedade siniense sobre a ausência de uma oposição forte e de liderança acompanhada de uma descrença e falta de identificação com os políticos e a politica e com as alternativas existentes à CDU. A conjugação destes factores a pouco mais de um ano e meio das eleições autárquicas abre o caminho para uma candidatura independente ou para o crescimento da abstenção

Bridge of Sweden-Denmark




"Enviado via mail, por LV"



"Esta ponte liga a Suécia à Dinamarca. A foto anexa foi tirada da Suécia via avião.Vejam que interessante solução para não atrapalhar a passagem dos navios.Há alguns anos atrás, pensou-se na ponte móvel, mas a engenharia actual é mais evoluída: A ponte segue sobre a água até certo ponto, então mergulha e passa pelo subsolo marinho até sair na Dinamarca, deixando o espaço necessário para os navios. Conseguem imaginar? TALVEZ NEM TODOS SAIBAM É QUE ESTA PONTE FOI FABRICADA EM *PORTUGAL*, PELA COMPELMADA, ENTRE OUTROS, MAIS PROPRIAMENTE EM SINES sendo os viadutos uma estrura metálica de forma trapézoidal e oca."

Carnaval de Sines 2008

Parabéns aos obreiros do Carnaval de Sines de 2008. O nosso Carnaval continua a ser a par do FMM os grandes acontecimentos culturais da nossa Região. Para lá das polémicas, prejuízos, desencontros, fica a obra, e essa é a História que a eternizará. Quem sabe qual foi o resultado económico do Carnaval de Sines de 1965? Choveu em 1972? Zangaram-se os membros da direcção em 1981?

A Avenida que nunca dorme



Ainda os jovens retardatários fumam o último cigarro e já chegam os primeiros pescadores de olhos postos no mar e a esperança de uma boa faina. Quando os últimos partem de barco, já os primeiros estão em casa, a Lota inicia mais um dia e os desportistas começam a calcorrear a calçada, derramando calorias. Chega a hora de almoço, encostam os carros ao estacionamento, onde os seus ocupantes procuram escassos momentos de descontracção, a servir de preparo para mais uma tarde de trabalho. Sobem para a cidade os pescadores, e não tardam os carrinhos de bebé, os pais babados, os namorados de mão dada com juras de amor eterno, os ciclistas, os corredores, os amantes de sol que na praia fingem um final de tarde de Verão. Antes de desaparecer totalmente no horizonte o Sol ainda testemunha as primeiras canas de pesca que se erguem na Praia, enquanto os desportistas continuam no vaivém incansável, começam a chegar os jovens de carro, rádios altos, partilham uma ganza para a noite que se adivinha. Pouco falta para os pescadores descerem da cidade, com os olhos ensonados postos no mar, cheios de esperança. Lá em cima da sua estátua Vasco da Gama, que emprestou o seu nome à Praia e Avenida, assiste a este corropio como eterno vigilante.
Como se fosse necessário o Carnaval de Sines e o Festival de Gastronomia demontraram a urgência de resgatar a Avenida Vasco da Gama e devolvê-la à Cidade, como local de lazer e ponto de encontro, reduzir o número de faixas de rodagem, ampliar os passeios, instalar bares, restaurantes, facilitar os acessos pedonais ao centro da cidade, recriar o pontal e mais um ponto de acesso à Avenida, tudo é possível, necessário e urgente para vivermos a nossa Avenida.

terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

Poluição em Sines, sempre actual

Noticia SIC em 18 de Março de 2006

Sines 1978-79(???)




Qualidade de Vida

Um ranking que pretende medir a qualidade de vida, elaborado pela Universidade da Beira Interior coloca Sines na 20ª posição a nível nacional e em 1ª na Região do Alentejo.
É certo que o conceito "Qualidade de vida" é subjectivo, mas qualquer ranking que atribua a 1ª e 2ª posição a Lisboa e Albufeira, respectivamente, somente demonstra que os critérios utilizados não podem ser os mesmos que normalmente pensamos quando nos referimos a qualidade de vida.

domingo, 3 de fevereiro de 2008

Vasco da Gama, 1976-77

Visitem o link abaixo, muito engraçado, vivamente aconselhado a nostálgicos.

http://equipas-do-passado-1850.blogspot.com/200Adicionar vídeo7/01/66-vasco-da-gama-de-sines-1976-77.html#links

1000 visitas

Isto dos blogues é como os filhos, crescem sem nos apercebermos. Cerca de um mês após o primeiro post ultrapassámos as 1000 visistas. Dos objectivos traçados inicialmente apenas um está aquém das expectativas: a interactividade com os visitantes. Lá chegaremos. Obrigado pela vossas visitas.

sábado, 2 de fevereiro de 2008

Conselho Municipal de Segurança

O último "Sineense", jornal da autarquia de Sines dá-nos conta última da reunião do Conselho Municipal de Segurança, onde ficamos a saber pelas palavras do Comandante do posto da GNR que os furtos registados recentemente no Concelho foram executados na sua maioria por um pequeno grupo de adolescentes identificados e que as queixas sobre a intranquilidade durante a noite na cidade, manifestada pelos munícipes, e trazidas para a reunião pelo presidente da autarquia são conflitos pontuais registados e relacionam-se com jovens com falta de enquadramento familiar.
O facto de os jovens serem um pequeno grupo e estarem identificados traz uma paz de alma e segurança acrescida aos lesados e à população em geral, que não é traduzível em palavras.
Já quanto à intranquilidade se tratar de conflitos pontuais e não uma guerra civil e ser praticada por jovens com falta de enquadramento familiar, coisa que se resolve com uma qualquer política social de subsídios e integração, devolve o retemperador sono a todos os Sinienses.
Perante este tranquilizador cenário não entendo porque o Comandante da GNR reclama mais meios, logo agora numa altura que estamos em contenção orçamental.
Já o presidente da Direcção dos Bombeiros Voluntários de Sines, mostrou-se preocupado com a situação financeira da associação e com a falta de apoios de grande parte das empresas do Concelho. Em resposta e muito oportunamento na mesma página do "Sineense" vêm a notícia da oferta de uma ambulância aos BVS por parte da Câmara Municipal.

Obrigado Dr. Ramalho

Fórum Cultural de Alcochete
Congresso "Pensar o Distrito de Setúbal"
Último Fim de Semana de Janeiro de 2008
Organização: Partido Socialista
José Sócrates e Vítor Ramalho, líder do PS no Distrito de Setúbal, referem-se aos grandes investimentos no distrito como " impulsionadores, de forma significativa, do emprego".
O Aeroporto de Alcochete, Plataformado Poceirão, Metro Sul do Tejo, ponte Barreiro-Chelas, TGV, nova máquina da Portucel e investimentos turísticos em Grândola, farão "O distrito de Setúbal levantar voo", afirmam os líderes socialistas.
As referências a Sines surgem, quase envergonhadas, quando referem o Porto de Sines e Setúbal (como se fossem comparáveis) como porta de entrada e saída marítimas da Europa.
Se havia dúvidas quanto à pouca importância que o Concelho de Sines representa para o Sr. Ramalho, estas sobressaem cada vez que fala no norte do distrito, única parcela do distrito que parece conhecer, ou não fosse lá que se encontra o maior número de eleitores e militantes socialistas que permitem mantê-lo politicamente confortável.
Por fim deixa-nos um paternal conselho: "Com esta conferência quisemos alertar todos os agentes da região que é preciso aproveitar esta oportunidade."
Da nossa parte ficamos eternamente gratos ao Dr. Ramalho, pois não fosse V.Exa e aqui por Sines (Distrito de Setúbal) passar-nos-ia despercebida esta oportunidade.

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008