segunda-feira, 11 de abril de 2016

sábado, 3 de agosto de 2013

Novo ciclo para Sines

A modernização da refinaria de Sines está a proporcionar uma apreciável exportação de combustíveis e representa uma mais-valia no futuro estratégico de Portugal. Nesse âmbito, o Presidente do Panamá esteve por cá, mas a imprensa não falou disso. Preferiu, antes, as ninharias político-partidárias.


O porto de Sines e as instalações industriais (refinação de petróleo e petroquímica, sobretudo) que ali se desenvolveram concretizaram um projecto gizado anos antes do 25 de Abril. Depois, o projecto passou por várias vicissitudes, muitas delas negativas, como a destruição pela violência das ondas de parte do terminal petrolífero do porto. 

Mas a modernização da refinaria de Sines já proporcionou uma apreciável exportação de combustíveis. E Sines é um porto de águas profundas, o que lhe dá valor acrescido neste tempo de enormes cargueiros. 

O porto de Sines está ligado ao canal do Panamá, cujo alargamento deverá ficar completo em 2014 – será, assim, a via ideal para as mercadorias da China chegarem à Europa. 

Esta semana, esteve em Portugal o Presidente do Panamá. Como observou Henrique Raposo no “Expresso” on-line, a comunicação social quase não falou nessa visita, durante a qual o futuro de Sines foi abordado. 

No entanto, trata-se de um assunto de enorme importância estratégica para o futuro colectivo dos portugueses. Mas preferimos falar de ninharias político-partidárias.

02-08-2013 7:11 por Francisco Sarsfield Cabral

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Fábrica em Sines vai produzir combustível a partir de resíduos de navios

Uma empresa com sede em França está a construir no porto de Sines uma fábrica para produzir combustível naval a partir dos óleos residuais recolhidos nos navios de carga, aproveitando material que actualmente é incinerado.
A unidade, que deverá estar pronta a funcionar em Outubro deste ano, será a primeira a nível mundial com esta tecnologia, adiantou hoje à agência Lusa o presidente e fundador da Ecoslops, Michel Pingeot.
O projecto representa um investimento superior a 14 milhões de euros, comparticipado em 55% das despesas elegíveis por fundos comunitários, e irá criar 35 postos de trabalho directos e 25 indirectos, estimando-se que venha a gerar receitas na ordem dos 10 milhões de euros anuais, referiu o empresário.
A Ecoslops Portugal tem, desde o final do ano passado, o exclusivo da recolha dos óleos residuais gerados pelos navios de carga no porto de Sines, por via de uma subconcessão contratada com a Companhia Logística de Terminais Marítimos (CLT), do grupo Galp Energia, concessionária do terminal de granéis líquidos.
Segundo Michel Pingeot, “todos os navios” originam óleos residuais, quer devido ao armazenamento e utilização de combustível para o seu funcionamento, quer, no caso dos cargueiros de granéis líquidos, dos resíduos de produtos (crude e refinados, entre outros) que ficam nos tanques.
“Dependendo da dimensão do navio”, a quantidade de resíduos produzida pode chegar às 250 toneladas, explicou.
O lançamento destes resíduos para o mar tem representado um “problema ambiental”, indicou o empresário, mas, mesmo a solução adoptada actualmente tem consequências negativas, uma vez que a incineração provoca a emissão de substâncias poluentes para a atmosfera.
Na fábrica em construção em Sines, por empresas locais, após a separação dos óleos residuais em água, sedimentos e hidrocarbonetos, estes últimos são submetidos a um processo que os transforma em combustível naval, que será vendido aos fornecedores deste produto.
Michel Pingeot sublinhou o carácter “amigo do ambiente” deste combustível, não só pela reciclagem dos resíduos, mas também porque todo o processo de produção, desde a recolha ao fornecimento, se desenrola num espaço físico limitado, dispensando transportes e reduzindo a “pegada ecológica” do produto.
De acordo com o responsável, a unidade terá uma capacidade de produção de 100 toneladas de combustível naval por dia, o que implica o processamento de cerca de 200 toneladas de óleos residuais.
O porto de Sines deverá ser o único a receber uma fábrica da Ecoslops, já que, conforme adiantou o empresário francês, esta será suficiente para processar a totalidade dos óleos residuais produzidos no país.
Lusa/SOL

UM NOVO CICLO

Depois de consultar várias pessoas, ouvir várias opiniões e conciliar algumas vontades, decidi reiniciar o funcionamento deste espaço que já foi, o arauto da informação no litoral alentejano.

Foi de facto, e disso ninguém pode dizer o contrário, o sítio de informação, opinião, crítica e até diversão que, de Sines a Santiago, passando por Santo André, não passava despercebido dos mais distraídos aos mais atentos para as questões da sociedade. 
.
Criou amigos, alguns inimigos, outros nem por isso mas, sem dúvida nenhuma, anónimos (muitos), outros que deram a cara e tantas vezes com o nome próprio ou pseudónimo, cá vinham discutir ideias (alguns desconversavam é certo), fazendo o que uma sociedade democrática nunca se pode abster de fazer: FALAR, DIZER, ESCREVER e PENSAR Livremente.

Tudo isto foi proporcionado pelo António Braz, fundador deste espaço que aqui, publicamente cumprimento.

Um dos pontos altos das múltiplas intervenções, foram as últimas eleições autárquicas passadas. Mas, não é esse facto, de facto importante para a Democracia, que me move nesta ténue tentativa de ressuscitar o blog.

Não querendo tornar este espaço apenas de espaço para a discussão sobre as autarquias e as várias propostas que se perfilam, entende-se que é talvez, o tema que, para esta região, num blog local, seja o mais apetecido, tudo bem!.. Mas há certamente, muitos outros temas para se discutir, ou não?

Desde a sua criação e semi-encerramento, outros meios de comunicação no ciber espaço ganharam notoriedade pela facilidade de acesso e não só. Creio que ainda haverá espaço para este blog, daí esta tentativa.

Independentemente dos artigos que aqui forem sendo colocados a partir  de hoje pelo "administrador" do espaço, outros também poderão e deverão ser colocados, desde que sejam enviados previamente para o seu Administrador.

Para já, os vídeos colocados lateralmente manter-se-ao até poderem ser substituídos, até porque gostaria de obter comentários sobre os mesmos, colocados há bastante tempo, numa altura em que, para muitos, havia um mar de dúvidas. Hoje, creio poder afirmar, que esse mar de dúvidas se transformou em certezas...

Ficarei imensamente feliz se contribuir para o "desenconchar" da sociedade que, no meu entender como é óbvio, tende a canalizar as suas discussões em sociedade, para áreas que distraem da construção duma vida digna e verdadeiramente democrática.

Egídio Fernandes

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Jornada de Protesto em dia feriado

Pelo digno pagamento dos dias de feriado a quem é obrigado a trabalhar.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

TODOS CONTRA A POLUIÇÃO



O Movimento Cívico «Todos Contra a Poluição» Convida todos os amigos e interessados na causa que nos move contra os maus cheiros a estarem presentes numa reunião Geral, aberta à população no seu todo e de certa forma a participarem com ideias novas, debatendo o futuro, próximas iniciativas e medidas a tomar!
 Dia 25 de Maio (Sexta-feira), no largo Poeta Bocage (Largo do Catelo) às 18h30 
Participa!

sábado, 28 de abril de 2012

Vila Nova de Santo André já tem rede ciclável urbana

Os Presidentes da Câmara de Santiago do Cacém e Junta de Freguesia de Santo André inauguraram hoje a rede ciclável de Santo André numa extensão de 11 km.
É agora a cidade do país, com a maior rede para utilizadores de bicicleta em circuito urbano.
As fotos:






segunda-feira, 23 de abril de 2012

domingo, 1 de abril de 2012

Escola de Artes de Sines

Orquestra de Sopros do Litoral Alentejano
Estágio

Assistiu-se hoje a um Concerto de assinalável interesse.

O Auditório do Centro de Artes de Sines teve uma moldura humana interessante para ouvir os sons dos instrumentos de sopro, produzidos pelos Jovens da Escola de Artes de Sines que diga-se, muito bem dirigidos.

Cabe aqui enaltecer o excelente trabalho no campo das artes e dar os parabéns aos alunos pelo que aprendem, bem como aos seus professores que tudo fazem para ensinarem o máximo.
Aos cidadãos do litoral alentejano, aqui fica o desafio para o acompanhamento destes jovens artistas.

Cremos que num futuro próximo iremos ter artistas importantes no litoral alentejano.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

A Hora é de Protesto

Amanhã, Sábado 11, É dia de protesto contra este estado de coisas.
Em frente na luta contra as medidas terroristas do Governo e Grande patronato! Não deixemos os nossos destinos em mãos alheias!
Estarão lá muitos milhares a encher por completo o Terreiro do Paço em Lisboa.
Traz outro amigo também...

domingo, 29 de janeiro de 2012

Gaseamento em Curso


Dia após dia, semana após semana, a diferentes horas do dia e da noite, Sines é, em permanência, invadido, por um cheiro pestilento vindo da plataforma industrial. Com uma severidade crescente uma vez que já nem janelas e portas fechadas nos permitem escapar  ao pivete que nos provoca dores de cabeça e que nos arruinará a prazo a saúde. A chaminé da Petrogal, com a sua nuvem de gases brancos recortada no escuro da noite, é o nosso indicador de referência. Quando a nuvem se dobra do alto da chaminé  sobre a cidade temos que correr a fechar tudo e, nem mesmo isso é suficiente.
Estamos sitiados nas nossas casas, sujeitos aos gaseamentos noturnos, e cada vez mais diurnos, que a prazo nos liquidarão. Aliás, nos liquidam porque a verdade é que se morre de cancro nesta terra e nesta zona como não acontece em parte nenhuma do nosso país. Claro que não há dados. Pois não, o senhor António, o senhor João, o nosso primo, o nosso tio, os nossos amigos que morreram precocemente, os nossos conhecidos que estão doentes com cancro, cada um de nós, não somos dados das estatísticas que ninguém quer recolher e tratar, não somos dados dos estudos epidemiológicos que nenhum poder quis ou quer  fazer. Há trinta anos que a lei do mais forte domina contra os direitos dos mais fracos, de nós todos. A lei do mais forte é a lei das empresas poluidoras e dos seus lacaios ao nível nacional e local com particular destaque e nojo para os lacaios locais.
Um movimento de cidadãos começou a organizar a partir do Facebook um movimento contra a poluição. Tomaram algumas iniciativas meritórias, mas cometeram um erro crasso: permitiram que os políticos coniventes com os poluidores,  com destaque para o politicamente sinistro Presidente da Câmara, integrassem essa comissão e a dominassem.  O Presidente da Câmara de Sines representa politicamente, ao nível local, os interesses das grandes empresas poluidoras e daqueles que ao longo de décadas têm agredido o direito à saúde dos cidadãos. Irá fazer tudo o que estiver ao seu alcance para canibalizar o movimento,  atrofiando-o. Os interesses que defende obrigam-no a isso. 
São patéticos os seus apelos ao combate à poluição ao mesmo tempo que no pasquim da propaganda municipal manda publicar artigos em que revela ter descoberto que a poluição é causada pela ETAR. A mesma reiterada aldrabice que desde há anos as empresas industriais, vêm divulgando. Não se via nada assim desde a revelação do terceiro segredo de Fátima.
Com Manuel Coelho a integrar o movimento a desmobilização e a demissão serão o resultado esperado até porque os cidadãos que se poderiam mobilizar para esta luta  não depositam confiança nas suas intenções e identificam-no com os interesses dos agressores.
 A Câmara se estivesse empenhada – o que  Manuel Coelho quer é o que a Câmara faz já que a sua maioria representa hoje seis dos sete eleitos que se transformaram em criados políticos do “querido líder” - tinha meios próprios para lutar contra este crime ambiental e este genocídio contra os cidadãos aqui residentes. Não o faz porque não tem nisso qualquer interesse. Saí a terreiro apenas para controlar  e desmobilizar o movimento. Ou para dar conta de mais um estudo que inevitavelmente acabará no saco do lixo e será mais tarde substituído por outro que  manterá a malta entretida e dará conta do grande empenho do “nosso querido líder”.  Estudos anestesiantes muito eficazes como se tem visto …como anestésicos.
Quando andava de braço dado com o seu querido camarada Sócrates a lançar a primeira pedra de “grandes investimentos estratégicos para Sines” e aquele prometia fazer de Sines uma plataforma petrolífera de nível europeu  devem ter limpado o rabo às preocupações ambientais e às medidas de prevenção dos acréscimos de poluição resultantes do forte investimento então realizado, com um aumento relevante da capacidade industrial instalada.
Espero que o movimento possa lutar contra a poluição e contra os que a promovem em detrimento do direito á saúde e ao ambiente a que todos nós temos direito. Espero que o movimento se liberte de tão funestas companhias. Que sentido fará ter, num movimento desta natureza, o senhor Amorim e a senhora Dos Santos? Que sentido fará ter quem ao nível local tem representado e defendido politicamente os interesses dessas pessoas? Se não for capaz de dar esse passo de se libertar o movimento acabará sem glória entontecido por um par de promessas avulsas e sem consequências futuras.
Sines é uma nódoa na democracia portuguesa. É  o local em que os cidadãos são meticulosamente envenenados apenas porque quem o faz pode fazê-lo  e quer fazê-lo, porque os seus lucros sobem na razão directa desse envenenamento. É o ponto máximo da indiferença social, da cobardia política, da traição dos interesses dos eleitores pelos que elegeram, do desprezo absoluto pela saúde dos cidadãos. Sines é o expoente de uma radical falta de ética social de um pequeno grupo de capitalistas, dos seus criados políticos nacionais e dos seus pequenos, e vorazes, caciques locais, que colocam a vida dos cidadãos desta terra, o seu direito à saúde e ao ambiente, vários pontos abaixo do mais pequeno euro que possam lucrar.
Sines é a negação da democracia

José Carlos Guinote
(este texto é da minha única e exclusiva responsabilidade)

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

O Ausente

Correio dos leitores
No meio de toda a agitação que se vive em torno das questões ambientais e de saúde pública há uma ausência cujo silêncio e imbilismo são muito notados. Falo da Assembleia Municipal e do seu presidente que se votou à irrelevância política, sabendo nós que os personagens que querem ser apenas figurantes, tarde ou cedo serão expulsos de cena. O senhor presidente está ainda a tempo de mudar a sua atitude no sentido de dar mais peso não só à luta da população mas também dignificar o orgão que representa. Vamos a isto Sr. Presidente, sem medos.