sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Um bom 2011 para todos

A DÍVIDA AOS TRABALHADORES ULTRAPASSA OS 255 MILHÕES DE EUROS

Divulgação
...E não pára de aumentar
É preciso falar também desta não menos importante que a que os "poderes" falam

Depois de ter atingido os 191 milhões de euros, em 2008, a dívida aos trabalhadores que perderam os postos de trabalho em resultado do encerramento das empresas continua a aumentar.


Na realidade, o número de trabalhadores prejudicados e os montantes em dívida serão mais elevados, dado que esta estimativa que envolve 15 distritos (alguns dos quais com informação incompleta) não integra a situação dos Açores, Beja, Bragança, Portalegre e Vila Real. Os distritos mais afectados são o Porto (com 29% dos valores em dívida e do 28% total de trabalhadores), Lisboa (27% dos valores em dívida e 49% do total de trabalhadores), Coimbra (18% dos valores em dívida e 9% do total de trabalhadores) e Braga (10% dos valores em dívida) para referir apenas os casos mais gritantes de acordo com estes dados.
Os sectores com um maior número de trabalhadores credores são a Indústria têxtil e do vestuário, a construção e cerâmica e a indústria metalúrgica e química, referindo somente os que envolvem mais de mil trabalhadores.

O sector têxtil e do vestuário (com mais de 100 milhões de euros de dívida aos trabalhadores despedidos), a metalurgia e química (com mais de 36 milhões de euros), o sector do papel, gráfica e imprensa e ainda a construção e a cerâmica (todos com mais de 30 milhões de euros), estão entre os sectores em que a dívida é mais significativa.
A JUSTIÇA TEM DE SER CÉLERE!


Perante a dimensão do valor em dívida e da injustiça que lhe está subjacente, é tempo do Governo do  falar menos do país imaginário e responder aos problemas concretos do país real.

É preciso que o Governo do Eng. Sócrates assuma as suas responsabilidades, assegurando o acesso dos cidadãos aos tribunais, assim como as condições necessárias para que estes funcionem com os meios humanos e técnicos que garantam a celeridade do funcionamento da justiça, tal como consagra o artigo 20º da Constituição da República Portuguesa.

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Mais um parágrafo, num velho romance



A história do futuro, à bem mais de uma década, quartel dos B.V. de Sines, do seu financiamento e localização já vai longa e de tanto triste não merece ser recordada. este vídeo é apenas mais uma linha deste romance. Video, não por acaso, bem elaborado. Tão bem que o seu custo em tempo e dinheiro dava seguramente para tapar uns buracos aqui na minha rua.

domingo, 26 de dezembro de 2010

Sejam Benvindos os turistas a Porto Covo


Porto Covo, Junto à Praia Grande. Buracos quase tão grandes como o futuro elevador da falésia.

Orçamento Municipal 2011 ou o Mundo Encantado da Popota



Este ano ao contrário da última década, pelo menos, nada escrevi sobre as grandes opções do plano e orçamento municipal para o ano seguinte.

Para quem conheça minimamente  a realidade económica e financeira da autarquia de Sines, o seu passado de incumprimento orçamental ou seja credor aflito de vários - muitos - meses, o orçamento de 2011 é intelectualmente ofensivo.

Não perderei um minuto a escrever sobre as propostas apresentadas, as intenções de redução de custos, as incríveis previsões de receitas ou quejandos, pelo mesmo motivo que não escrevo da suposta existência do pai Natal ou do mundo encantado da Popota. Falar de fantasias é alimentá-las no imaginário dos crédulos.


Existe um afastamento irrecuperável (tipo Sporting-FC Porto) entre a realidade quotidiana de Sines e o exercício do poder, em que o expoente máximo desta evidência é o jornal oficial da autarquia, o infeliz Siniense. Imagino um gestor privado a apresentar um orçamento deste à sua administração e no dia seguinte engrossaria a fila para o desemprego. Quantos dos seguidores acreditarão verdadeiramente naquilo que aprovam, dormindo tranquilamente o sono dos justos, eis a dúvida

Saí da politica activa e desde algum tempo parece que a politica, felizmente, já saiu de dentro de mim, na medida em que é possível separar a intervenção cívica da politica. Não estou nem mais nem menos motivado para intervir socialmente, apenas mais pragmático.

Estou certo que a solução já não passa pelo políticos que temos, são demasiados anos. Fosse como mulher ou amante, quase todos dormiram confortavelmente na cama do orçamento. Estes são parte do problema e não da solução, esta - a solução - andará algures entre aqueles que desconhecem os corredores do poder e as suas maquinações e creio, porque sou optimista, que esta surgirá como um ovo de Colombo, na medida que está à vista de todos nós. 

Não surgirá um qualquer D. Sebastião, mas creio numa geração que despreza a politica tal como nós a conhecemos actualmente. A politica deixou de ser um acto de nobreza, tornando-se um exercício de interesses pessoais, arrepiantemente aceite pela maioria que a pratica.

Aos outros, políticos sérios, que ainda existem, apesar de serem espécie rara em vias de extinção, balançam na opinião geral entre honrados e sérios e ingénuos por não aproveitarem as oportunidades.
Para mim serão sempre obstinadamente honrados e obcecadamente sérios, como todos deveriam ser.

Divulgação - Nota de Imprensa

NOTA Á COMUNICAÇÃO SOCIAL


A CDU votou contra as GOP (grandes opções do plano) e contra a proposta de orçamento municipal para 2011, porque considera as GOP uma listagem de intenções de investimento sem quaisquer prioridades e porque os valores previstos no orçamento não passam de números fantasiosos que não respeitam os princípios legais do rigor e da especialização orçamental. Investir mais de oito milhões de euros na avenida Vasco da Gama, num elevador monstruoso e numa avenida exterior à cidade onde ninguém reside e deixar por investir seriamente na requalificação do património municipal que se encontra ao abandono (palácio Pidwell, Ginásio Clube de Sines, Centro Recreativo Siniense, Mercado Municipal, Salão do povo, etc.) e na melhoria da rede de ruas, avenidas e praças de Sines e Porto Covo, é opção que não merece a simpatia da CDU, já para não referir as vergonhosas instalações do centro de Saúde de Sines que assim irão continuar mais outro ano.

A proposta de orçamento é no valor global de 51 milhões de euros. Número astronómico se verificarmos o que se passou nos últimos três anos em termos de receitas totais:

-2008 - 21,8 milhões de euros
-2009 - 31,1 milhões de euros (dos quais 11,2 milhões de empréstimos)
-2010 - 20,9 milhões de euros até 30 de Novembro passado.

Por estes números se poderá imaginar a demagogia que o orçamento encerra. Por outro lado e não existindo poupança corrente (as despesas correntes sobem quando todo o país contrai e reduz a despesa corrente) o que significará o seu financiamento por verbas de capital e não existindo também recurso a mais empréstimos, restará à Câmara Municipal a venda do património. O orçamento para 2011 prevê a venda de mais de 15 milhões de euros de património. Se considerarmos que em 2010 o objectivo era idêntico e que apenas se realizou pouco mais de um milhão de euros de venda de património, podemos concluir que tal objectivo é absolutamente inatingível. Quanto à resolução da dívida superior a 25 milhões de euros com custos anuais de quase 3 milhões de euros, nada. Quem vier atrás que feche a porta parece ser o lema. Portanto o que se afigura para a CDU é um ano de caminhada para uma situação financeira critica que atingirá trabalhadores, fornecedores, empresários e o bom nome do município, que aliás já anda pelas ruas da amargura com o estado vergonhoso em que se encontram as ruas, as zonas verdes, a higiene pública, a limpeza, e a conservação do património que é de todos.

Pelas razões apontadas a CDU votou contra as propostas do Movimento SIM de GOP e de Orçamento Municipal para 2011 para Sines.



Francisco do Ó Pacheco

Mensagem de Feliz ano de 2011




Derek Redmond, é um ex-atleta inglês que personificou um dos mais inspiradores e memoráveis momentos desportivos de sempre, ao esforçar-se por chegar à meta, amparado pelo seu pai, após uma lesão extremamente dolorosa contraída, no decurso da semi-final dos 400 metros, nos Jogos Olímpicos de Barcelona, em 1992.
Derek Redmond é mais um exemplo do que o ser humano é capaz quando nisso empenha toda a sua vontade, perseverança e motivação; mostrou que, quando tudo parece perdido, há que mantermo-nos focados na nossa meta, empenhar todo o nosso esforço na concretização dos nossos objectivos e aproveitarmos todo o apoio e todos os incentivos que estão ao nosso alcance. Só assim poderemos tornar-nos mais rápidos, mais fortes, mais competitivos.

Derek não ganhou nenhuma medalha de ouro, não subiu ao pódio, nem sequer logrou classificar-se para a final, mas hoje muito pouco saberão quem ganhou a final e praticamente ninguém quem chegou primeiro na fatídica semifinal, mas muitos, desportistas e não só, conhecem e inspiram-se na histórica de Derek.

A sua imagem a percorrer os 250 metros que o separavam da linha da meta, parte dos quais abraçado a seu pai, com um estádio rendido ao seu carácter e determinação, atravessam gerações sempre com a mesma mensagem: por mais adversas que sejam as condições não desistamos dos nossos objectivos, nunca.

sábado, 25 de dezembro de 2010

Boas Festas, pelo corpo todo

video

Os Operários do Natal

Do "Imaginário" de Muitos

Quem Faz o Natal de todos nós...



Os Amigos



Quem faz o Natal para todos nós? São os amigos

Quem nos dá prazer e dá calor? São os amigos

A quem é que damos a ternura? É aos amigos

A quem é que damos o melhor? É aos amigos


Os amigos são o nosso bolo de Natal

Cada amigo nosso vale mais que um Pai Natal

É um irmão nosso que trabalha no Natal

E com suas mãos faz a diferença do Natal


O dinheiro pouco importa

O que importa é a verdade

E a prenda mais valiosa

É a prenda da amizade


Quem faz das tristezas forças

E das forças alegrias

Constrói à força de Amor

Um Natal todos os dias.

(1978 : Ary dos Santos; Joaquim Pessoa; Paulo de Carvalho; Fernando Tordo; Carlos Mendes e outros)

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Natal - As "fantasias" tornadas realidades

Reformas na Suíça com tecto máximo de 1700 euros


Na Suíça, ao contrário de Portugal, não há reformas de luxo. Para evitar a ruína da Segurança Social, o governo helvético fixou que o máximo que um suíço pode receber de reforma são 1700 euros. E assim, sobra dinheiro para distribuir pelas pensões mais baixas.


 
Lá está este tipo a divagar...

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Filme do desassossego


Ontem à noite Fernando Pessoa esteve no centro de artes de Sines, numa sala meio cheia em que vi projectados numa tela esticada no palco, os sonhos que foi transpondo para palavras escritas em folhas de papel soltas e dispersas. Há coisas que não se conseguem mudar, palavras que só vivem quando lidas por nós, imagens que nunca conseguirão ser postas em palavras, sons que nunca se conseguirão explicar, sensações que nos gelam num instante e que só mais tarde percebemos. Há coisas que mais vale deixar como estão, e o livro do desassossego merece o devido sossego da solidão da leitura, com os fantasmas e as dúvidas de quem o lê, voltando atrás quantas vezes forem precisas, ao ritmo da leitura de cada um de nós e não dito por outro qualquer.

Gostei das palavras do realizador João Botelho e da sua aparente simplicidade, pareceu-me sincera a admiração e respeito que nutre por Pessoa. Talvez por isso, tenha visto o filme que aguardava com a expectativa de um menino, de uma forma mais descomprometida. No fim levantei-me, com a consciência de que a missão impossível de realizar um bom filme, com base num livro inacabado de pensamentos de alguém como foi e é Pessoa, não foi cumprida, pura e simplesmente porque o que é impossível não pode ser feito por meros mortais.

Mas a uma sala de cadeiras desconfortáveis, com uma acústica muito má, o filme do desassossego chegou antes mesmo de passar pelo CCB em Lisboa, e isso diz muito sobre como Sines é visto pela cultura nacional. E enquanto ali estive, naquela sala escura meio cheia, senti-me como se estivesse numa cidade cheia, numa cidade limpa , numa terra cuidada e preservada para que quem ali habite, pudesse sentir-se realizado só por ali viver. Mas entretanto o filme acabou com poucas palmas e a porta das traseiras abriu-se para uma rua de pedra, emparedada por uma fachada antiga de um lado e uma parede de pedra da mesma cor do chão, sem que nada ali fizesse sentido nenhum e eu, desci em direcção ao mar, pela rua que ainda guardo como a minha primeira memória de Sines, como se quisesse adiar a realidade mais uns minutos.

Mas acho que a realidade nos persegue tanto mais quanto queremos fugir dela, e bastaram as ruas desertas, a calçada disforme, os caixotes de lixo cheios e as ruas esburacadas, para que ela me aprisionasse de novo e só me voltasse a libertar quando me deixei dormir e sonhei de novo.

domingo, 19 de dezembro de 2010

Bilal Ali Muhammad


Bilal Ali Muhammad é nome de herói. Desconhecido da maioria como muitos dos verdadeiros heróis, que a história guarda para si.


Quando Muhammad agente, de 31 anos, da polícia iraquiana - mulçumano sunita - com o seu corpo envolveu um suicida bombista, que se preparava para detonar um cinto explosivo durante uma procissão religiosa de fiéis xiitas, ofereceu o seu corpo, que se espalhou pelas paredes de uma escola próxima junto com o do bombista, salvando um número imprevisível de vitimas mortais.
 
Muhammad não terá tido tempo de pensar nas divisões fracticidas da religião, na legitima aspiração de ver crescer os seus filhos e cuidar da sua família ou de se proteger fisicamente a si próprio, simplesmente porque os heróis não pensam como nós.

Estado Social?

Escreve Nicolau Santos, no Semanário Expresso desta semana, que "Já todos percebemos que o Estado terá cada vez menos capacidade para acorrer a todas as situações de aflição social que se vão multiplicando por toda a parte. Também já todos percebemos que serão Instituições ligadas à Igreja, à sociedade civil e a ONG que poderão minorar o crescente fracasso do Estado nestas áreas".

Não podia estar mais de acordo com a sua opinião, que aliás partilho desde algum tempo, apenas não sou tão crédulo quanto ao pressuposto entendimento geral. A maioria ainda não percebeu.

A prevista diminuição dos apoios sociais às referidas instituições, a esperada perda de poder económico da classe média e a tentativa de algumas autarquias - Sines incluída - de pretenderem substituírem-se às respostas sociais das instituições, dificultarão em muito o papel das referidas instituições, sociedade civil e ONG's.   

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Vasco da Gama derrotado em Grândola

Rui Silva voltou a jogar para o campeonato após longa paragem por lesão

Depois de um ciclo de quatro jogos para o campeonato sem perder, esta jornada fomos até Grândola e perdemos por duas bolas a zero somando assim a segunda derrota na prova em onze jornadas já disputadas.

Jogo de muita luta e atitude durante os noventa minutos com a equipa do Grandolense a privilegiar o contra-ataque em que o chutão para a frente foi sempre utilizado para nos surpreender e nós como habitual privilegiámos a posse de bola em progressão com um futebol quase sempre apoiado. Sem que qualquer equipa ainda o justificasse, o Grandolense chegou ao golo nos primeiros minutos de jogo numa recarga bem aproveitada pelo avançado que estava no sitio certo para inaugurar o marcador. Entrada praticamente a perder da nossa parte e não conseguimos inverter a situação até ao intervalo onde chegamos em desvantagem.

Na segunda parte melhoramos muito como equipa, mais concentrados e determinados foram factores que acabaram com o equilíbrio existente na primeira parte entre as duas equipas, mais posse de bola e oportunidades de golo sucessivas tiravam toda a justiça ao resultado. Já em cima dos noventa minutos o Grandolense chega ao segundo golo numa fase em que estávamos completamente balanceados no ataque e algo descompensados defensivamente, depois de um canto a nosso favor nasceu um contra-ataque rápido e novamente de recarga a defesa do nosso guarda-redes o adversário matou o jogo.

O Grandolense não foi a melhor equipa em campo mas foi quem marcou os golos e ganhou o jogo, parabéns ao adversário que esteve perfeito no aproveitamento em duas das três oportunidades que teve em todo o jogo. Nós só nos podemos queixar de nós próprios mas mais uma vez dignificamos e respeitamos o clube que representamos.

Ultimo jogo de 2010 jogamos em Sines dia 19/12/2010 às 15h contra o Comercio Industria para a 12ª jornada.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

GLAM CHRISTMAS SINES - Espaço XL



No próximo dia 23 de Dezembro, a GIVEME5, produtora de João Barros e Tiago Domingos, convida-vos para um evento único em Sines, que nasce da junção do Glamour com o Natal:

GLAM CHRISTMAS c/Dj Rita Mendes - Espaço XL.

Este é um evento único em Sines que conta com a participação especial da Dj Rita Mendes e Dj Tiago Luz bem como a presença das mais ilustres figuras de Sines.

A entrada é: 8 "Glams" , com direito a 1 bebida branca, exclusiva a Guest List.

Relações Públicas do Evento:

- Bárbara Valença
- João Barros
- Tiago Domingos

Parceiros do Evento:

- Restaurante Cais da Estação;
- EmViagem;
- A Talha;
- Coisas Mil Decorações;
- Xoane Cabeleireiros;
- Xchange Models.

Entra no espírito de Natal com Glamour e diverte-te nesta grande Festa!!!


Os maiores cumprimentos,

GIVEME5
João Barros
Tiago Domingos

domingo, 12 de dezembro de 2010

Corrupção


Neste mês, que a cada ano é cada vez mais calórico que católico, quis o acaso que entre um de vários jantares de Natal - de instituições, empresas, amigos, etc, - em que participo com entusiasmo proporcional ao afinco desportivo do dia seguinte, como remissão do pecado da gula, encontrasse um antigo amigo e colega de universidade.

De origens muito humildes, o esforço quase sobre humano dos seus progenitores e a ausência de irmãos franqueou-lhe as portas dos melhores colégios e mais tarde universidades, que teve o mérito de aproveitar como pouco, mercê da sua inteligência e raciocínio analítico verdadeiramente invulgares.

Depois de ter iniciado a carreira numa multinacional onde atingiu assinalável sucesso, estabeleceu-se por conta própria, a distância e diferentes percursos profissionais, reduziram os nossos contactos a meros formalismo de boas-festas e votos de parabéns.
Reencontro-o agora enredado num dos maiores processo de corrupção, ainda em fase de investigação, do nosso país. começou por afirmar a sua absoluta inocência, depois passou para um "em parte" sou honesto, até concluir com uma espantosa afirmação: "sendo nós gestores, tudo é uma questão de opções e o risco de uns tempos na cadeia compensam o que ganhei".

Não perdi um amigo, pois a nossa amizade é fundada para além do carácter e da personalidade por um passado que partilhámos. É certo que a honestidade é parte fundamental da pesonalidadee e carácter de um amigo, mas não é a única.

Senti que perdi mais um pouco da minha, por vezes, patética inocência. Jamais pensaria que este meu amigo seria capaz de trilhar tal caminho, depois como chegámos ao ponto de pessoas inteligentes, com formação e informação,se sintam "mais ou menos honestas", quando a honestidade é uma qualidade inteira, ou se é honesto ou não se é, ponto final. Parece que a honestidade ganhou o estatuto de subjectividade.
O aliciamento de testemunhas, a utilização de informação privilegiada, o enriquecimento ilícito, etc são hoje praticados como se fossem um acto normal, onde quem os pratica encontra justificações, com uma moralidade incrivelmente falsa e em que acredita piamente.

Assustador o arrivismo cristalizado, a ideia enraizada de que os fins justificam os meios.

Quando abandonei o jantar e me dirigi para o estacionamento, o Audi Q7, matrícula recente, disse-me muito sobre o seu dono, bem mais do que aquilo que sabia antes.  

sábado, 11 de dezembro de 2010

Quem é que o Governo ainda quer enganar?

Sócrates engana-se ou engana-nos (a alguns), quando argumenta que não mexe nos despedimentos, apenas os vai tornar mais baratos. Isto não é mais que estimular o aumento dos despedimentos colectivos.

Em Portugal, o problema é que assistimos a elevadas taxas de precariedade, à perseguição sindical, a falta de diálogo e de democracia nas empresas, a elevadas taxas de juro (mesmo do Banco Nacional a (Caixa Geral de Depósitos) para os investimentos e por isso temos a produtividade que temos.

José Sócrates já nos habituou a pensar uma coisa, dizer outra e fazer uma terceira. Por isso não é de admirar que sobre a legislação de trabalho faça exactamente o mesmo, ou seja, pensar que não altera, diz que Bruxelas não o obriga a isso e propõe mesmo a alteração.

Desta vez e como sempre tem feito, pintou um quadro negro sobre a possibilidade de liberalização dos despedimentos individuais, para agora vir propor apenas a redução das indemnizações a pagar em caso de despedimento colectivo:

È interessante dizer que o faz em nome dos “empresários”, mas não foram estes mesmos que enquanto poderam recorreram a despedimentos colectivos disfarçados de mútuos acordos, para rejuvenesceram as suas empresas e aumentarem a precariedade do trabalho?

Despediram com compensações de 2 e mais meses por cada ano de trabalho, lançando na reforma ou pré-reforma trabalhadores na casa dos 50 anos e substituíram estes por jovens com contratos ao mês, sem quais queres direitos contratuais que não seja o “estás aqui para trabalhar e não para reivindicar”.

Por Antonio Chora. Ver mais Aqui.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

WikiLeaks


Assange é uma personagem estranha. Este australiano que fundou um site chamado wikileaks em 2006, com o objectivo de denunciar situações encobertas pelos governos e media, tendo ganho mesmo alguns prémios com isso, era até ao inicio deste ano um desconhecido. Mas em 2010, Assange em conjunto os seus colaboradores, disponibilizaram online, muita informação sobre a guerra no Iraque, colocando no seu site  vídeos de bombardeamentos, regulamentos militares norte-americanos, comunicações e documentos oficiais. Mais recentemente, a 28 de Novembro, a wikileaks iniciou a publicação de 251,287 documentos confidenciais das embaixadas americanas por todo o mundo, abalando assim os alicerces das relações externas americana, mas não só. Gerou-se uma luta entre o bem e o mal, tal e qual nos filmes. Assange foi acusado dias depois, de abuso sexual sobre 2 mulheres, crime que teria sido cometido na Suécia e entregou-se recentemente à policia britânica em Londres, para assim poder provar a sua inocência. Perdeu a cidadania, foi ameaçado de morte e sofreu represálias contra a família, estando nos últimos tempos obrigado a viver afastado da sua mulher e dos seus filhos.
A wikileaks foi proibida por vários sites online, gerando agora uma revolta internáutica que é tudo menos virtual. Mais de 1300 pessoas individuais e colectivas, criaram "mirrors" ou réplicas da wikileaks, mantendo assim a informação disponível a todos e ao mesmo tempo lançando ataques contra organizações que cortaram relações com o site. Assange continua preso, mas já foi dito que caso lhe acontecesse alguma coisa, muita informação encriptada seria libertada, naquilo que seria um contra-ataque dificil de contrariar. Nós, simples humanos não podemos fazer muito, mas devemos mantermo-nos informados e contribuirmos com o que pudermos nesta batalha. Alguém a há-de ganhar e eu espero que desta vez sejam os bons.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

"Piqueno" Derrame

Derrame no terminal de Granéis Líquidos do Porto de Sines


Um derrame foi detectado hoje no Terminal de Granéis Líquidos do Porto de Sines. A presidente da administração portuária, Lídia Sequeira, sublinhou tratar-se de um "pequeno derrame". As causas vão ser investigadas pela CLT - Companhia Logística de Terminais Marítimos, empresa gestora do terminal, detida pela Petrogal. A mesma fonte disse que os meios necessários ao controlo do derrame foram imediatamente mobilizados.

Rádio Sines

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Vasco da Gama vence Barreirense

10ª jornada - Vasco da Gama 1-0 Barreirense


Na recepção ao histórico Barreirense vencemos pela margem mínima num daqueles jogos em que o resultado foi bem melhor que a exibição, ainda assim o objectivo vitória foi conseguido e somamos mais três importantes pontos na luta pelo titulo de campeões.

Vasco da Gama e Barreirense assemelham-se em vários pontos, entre os quais reconquistar o estatuto e grandeza de outros tempos e na forte aposta em jovens jogadores formados nos escalões de formação de ambos.

Nós, a melhor defesa da prova recebíamos o melhor ataque da mesma á entrada para esta jornada, antevíamos um jogo muito difícil mas além do objectivo vitória queríamos manter o estatuto de equipa com menos golos sofridos e manter a baliza inviolável pelo quarto jogo consecutivo para o campeonato.

O mau tempo que se fez sentir condicionou bastante a exibição de ambas a equipas, na primeira parte o Barreirense e na segunda parte nós o factor vento contra não permitiu grande qualidade de jogo na hora de transitar da defesa para o ataque. Jogo muito equilibrado entre duas equipas organizadas onde a posse de bola e princípios de jogo são muito valorizados, acabamos nós por vencer o jogo num lance de bola parada através do José Luis Brito que bateu forte e com a ajuda do vento acabou no fundo das redes do Barreirense.

O mau tempo não justifica tudo e a nossa exibição ficou um pouco á quem do esperado, ainda na primeira parte um jogador adversário foi expulso por acumulação de cartões amarelos e nós em vantagem no marcador e em jogadores nunca conseguimos nos superiorizar ao Barreirense. A vantagem mínima é sempre perigosa e o nosso adversário acreditou sempre que poderia empatar o jogo numa altura em que já só o vento não nos empurrava para trás mas também a equipa de arbitragem com dualidade de critérios habilidosas.

Fica do jogo a nossa vitória e grande entrega de todos nós com grande concentração e união na hora de defender a vantagem.

Esta quarta-feira, 08/12/2010 às 15h em Sines a 3ª e ultima jornada do grupo B da Taça: Vasco da Gama vs Quintajense.

domingo, 5 de dezembro de 2010

Chiuuuu....



A ausência de imprensa local independente, informada e informativa que efectue trabalho de investigação, explica muito do silêncio sobre questões polémicas, mas fundamentais sobre Sines, mas não justifica tudo.

O Sines Tecnopolo, apresentado como um caso de sucesso do "regime" Manuel Coelho, é apenas o mais recente exemplo do ensurdecedor silêncio que grassa em Sines.

Revelou-se desde cedo uma boa ideia, num mau local. A sua missão estava inquinada desde o inicio, e acreditar que vingaria em Sines só é compreensível se, por bondade, aceitarmos que quem decidiu não tem conhecimento da realidade económica e do tecido industrial e empresarial da Região.

Rapidamente se revelou um verdadeiro flop, sustentado pelos cofres da autarquia - principal accionista - e pela formação profissional, que deverá ser uma das vertentes e não a vertente principal e quase única do seu funcionamento.

Ficámos pois com um bom equipamento físico, recuperou-se uma área degradada e à custa do orçamento municipal faz-se concorrência no mercado de formação profissional. Ou seja uma  pseudo-empresa municipal deficitária, com nomeações politicas.

Mas como nas histórias tristes o pior estava reservado para o fim, e sobre o despedimento/demissão do seu responsável máximo caiu um manto de silêncio em cujas extremidades seguram o poder executivo e a oposição.

Mas este é apenas um exemplo, facilmente e de memória recordo a queixa dos serviços sociais da autarquia sobre verbas retidas indevidamente, a repetição dos problemas do famigerado art.º 47 de Porto Covo, a polémica do pedido de gravação das palavras proferidas pelo Presidente da Assembleia Municipal de Sines, a redução da comparticipação dos custos de transportes aos clubes que alguns tentam agora negociar em particular, a rotunda da Costa do Norte e o Pavilhão desportivo de Porto Covo, o endividamento municipal, etc, etc, etc

De todos estes assuntos se fala em surdina, com as mais sórdidas e rocambolescas afirmações, sem provas, sem direito de defesa, sem esclarecimentos, sem direito de resposta, desconfia-se de tudo e de todos, como se ninguém seja sério, honensto ou bem-intencionado.

Foi este estado de coisas que este blog também pretendeu combater, permitindo que quem acusasse ou suspeitasse o dissesse aqui, para quem de direito explicar e/ou defender-se.

Mas não, a falta de transparência parece que aproveita a alguns que preferem pensar que são incólumes à critica popular, e acreditam que deles nada se suspeita, tantas vezes despropositada e infundada.

Hoje limito-me a ver avolumar as suspeitas de corrupção e achincalamento na praça pública de tantos dirigentes políticos e não só, sem que exista um espaço que polemize as questões, contribuindo para o seu esclarecimento. Para mim chega, de todos os documentos que possuo sobre os diversos temas referidos, nem um minuto perdi a analisá-los, bastaram segundos para apagá-los, aquilo que ouço ou me contam respondo com um sorriso de indiferença.

Tudo isto percebi no primeiro dia que entrei em Tribunal e confirmei com o continuado silêncio dos lesados das medidas politicas, sejam as empresas prejudicadas, os desempregados preteridos, as colectividades ignoradas, a oposição esquecida, todos, mas todos preferem o conforto cobarde do silêncio, à inquietação corajosa. 

sábado, 4 de dezembro de 2010

Pretextos para a Crise - Por Américo Lourenço

Do Público

Concelho do Litoral Alentejano


A Grécia eliminou prefeituras e reduziu concelhos para poupar 1,5 mil milhões de euros, reforma administrativa do território que tenho defendido, desde longa data, para Portugal. Como o gregos não andam a ler a Estação de Sines, nem esta contaria para a sua decisão, é porque a medida é óbvia.

É certo que despoletaria velhas rivalidades regionais e teria a oposição de muitos caciques assustados com a perda das suas sinecuras, mas é sempre preferível à actual gestão autárquica geradora de níveis de endividamento pornográficos.

No caso concreto da nossa região "preguei aos peixes" durante anos pela construção de equipamentos supra-concelhios, partilhados entre Sines, Santiago e freguesia de Santo André. Falamos de uma solução - Cidade Desportiva, Centro de Artes, Cinema, etc - que sirva uma população de aproximadamente 50.000 habitantes ao invés de três soluções para 15.000 habitantes cada, não seria apenas a redução de custos de construção e manutenção, resultante da partilha de custos e economia de escala, mas a possibilidade de trocar três investimentos medianos por um de excepção. Solução cuja regulamentação mais recente dos fundos comunitários, demonstra que tinha razão, ao valorizar ou condicionar para atribuição de subsídios o carácter supra concelhio dos investimentos a realizar.

Basicamente não me choca absolutamente nada que o eixo Sines-Santiago-Santo André, fosse apenas um Concelho administrado por uma única autarquia. Sei bem que envolve questões emocionais como a história ou tradição, mas não terãos os Gregos também história e tradição?

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Grande Yuri



votem no vídeo aqui




Vasco da Gama da goleada na Taça

Paulinho 'abriu caminho' para a goleada

Neste feriado jogou-se a 2ª jornada da Taça Distrital de Setúbal, fomos até ao terreno pelado do Lagameças, equipa da 2ª Divisão Distrital, vencer por 5-0 e garantir a nossa passagem á fase seguinte da prova.

Quis o sorteio que tivéssemos apenas um jogo fora de casa e dois em Sines, conquistados três pontos na primeira jornada no nosso estádio a nossa deslocação a Lagameças na segunda jornada poderia resolver a qualificação á próxima fase caso vencêssemos. Esta quarta-feira fomos então arrumar a questão da Taça no que ao grupo B diz respeito com uma vitória, 6 pontos em 2 jogos com a melhor defesa e o melhor ataque (0/7) dá-nos a liderança incontestável do grupo.

Goleada frente ao Lagameças do escalão inferior ao nosso com golos de Paulinho, Idi, Xingrila e Eder (2) num jogo completamente dominado de inicio ao fim por nós, jogo sem grande história dada a grande diferença entre as equipas. Apesar do campo ser pelado e o adversário ser da 2ª divisão tivemos sempre grande respeito e atitude pelo jogo para não haver surpresas como é habitual em jogos da Taça.

2ª Jornada: Lagameças 0-5 Vasco da Gama e Olímpico Montijo 1-0 Quintajense.

Grupo B: 1º Vasco da Gama 6 pts, 2º Olímpico Montijo 3 pts, 3º Quintajense 3 pts e 4º Lagameças 0 pts.

Próxima jornada da Taça dia 08/12/2010 às 15h: Vasco da Gama vs Quintajense.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Crise, mitos, dividendos e outras coisas que tais.



Decidiu, em boa hora, o Governo tributar os dividendos a partir de 2011, logo anteciparam-se as empresas, Portucel, PT e Jerónimo Martins em pagar os dividendos no ano de 2010, evitando a referida tributação. O avisado PCP propôs na AR a tributação destes dividendos antecipados, o PS "avisado" pela possibilidade de fuga de investidores (???) votou contra a antecipação.
António Gedeão que era homem avisado, disse-nos que o sonho comanda a vida.
Nós que andamos farto de avisos, há muito que percebemos que a que a economia comanda a política e o mundo.

Aproveitem para ler um artigo muito interessante, Cinco mitos sobre a crise, de um menos interessante Nicolau Santos.    

La Revolution en marche

O Facebook é uma Arma




O ex-futebolista Eric Cantona deu origem a um movimento no Facebook que incita as pessoas a levantarem todo o dinheiro dos bancos a 7 de Dezembro. Portugal já aderiu

Depois de um vídeo onde o ex-futebolista Eric Cantona apela a uma revolução monetária e incita as pessoas a levantarem todo o seu dinheiro do banco, vários países aderiram a este movimento.

Portugal é um deles e até já existe uma página no Facebook onde se pede que no dia 7 de Dezembro, terça-feira, todos levantem o dinheiro dos bancos. Segundo o comunicado na página, o objectivo "não é fazer o sistema colapsar de imediato", mas sim "educar a população sobre como o sistema financeiro REALMENTE opera". Na página do movimento, perto de 1400 pessoas dizem querer participar na iniciativa.

"Este é o primeiro grupo de acção espontânea, a fim de proteger-vos da comunicação social e corrupção política e nos libertar da escravidão que nos foi imposta pelos grandes banqueiros", lê-se na página.

O movimento começou em França e já se estendeu a vários países como Inglaterra, Grécia, Itália, Dinamarca, República Checa, Islândia e México.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Terá ficado o Manuel Alegre?

Na recente visita a Sines do candidato à presidencia da República Manuel Alegre, o presidente da Câmara de Sines, Manuel Coelho, manifestou publicamente o seu apoio a esta candidatura. 
Consequências diferentes para cada um dos Manéis, para o Alegre absolutamente indiferente, o peso eleitoral do outro Manel nesta liça é pouco mais de zero. Para Manuel Coelho trata-se de marcar posição no universo socialista. A nível nacional assume a sua proximidade à oposição interna a José Sócrates e a nível local é mais um passo em direcção ao que se adivinha nas próximas autárquicas - apoiar e ser provavelmente parte integrante das listas do PS, dizem-me que capitaneada por um ex-presidente, afastando o PCP do poder local em Sines durante uns bons anos.